As famílias que tiveram as casas derrubadas durante ação de reintegração de posse, no último sábado, e, representantes da Prefeitura de Matinhos prometem acampar em frente ao Palácio Iguaçu, em Curitiba, se não forem liberadas áreas para os assentamentos. O impasse está na questão ambiental. O terreno escolhido pelo município, no balneário de Riviera, fica em uma região considerada de proteção ambiental, e o Ibama não estaria querendo conceder a abertura de mais lotes para não ampliar os impactos na área.

De acordo com o secretário de Habitação e Assuntos Fundiários de Matinhos, Mário Pock, o prefeito Acindino Duarte deveria ter participado de uma reunião, na segunda-feira à tarde, na Secretaria do Meio Ambiente do Estado, mas o encontro não aconteceu. “Isso demonstra que eles não querem discutir o assunto e estamos dispostos a acampar em frente ao Palácio, se eles não resolverem a questão”, afirmou Pock. Segundo ele, a Prefeitura entrou em acordo com a Associação dos Moradores da Ressaca de Matinhos, para assentar as famílias que moravam à beira-mar e tiveram as casas derrubadas, bem como aquelas que ainda permanecem na área.

O presidente da Associação, Luiz Carlos Ribas, prometeu trabalhar junto com a Prefeitura para que todos sejam assentados, desde que recebem a área com infra-estrutura mínima. Ele disse ainda que algumas famílias ingressarão na Justiça com uma ação, contra a União, pedindo indenização pelos prejuízos. A desocupação aconteceu em cumprimento de decisão da Justiça Federal, que considera a área de risco em razão das ressacas. As famílias que não tinham desocupado as casas tiveram os imóveis derrubados com todos os móveis e objetos no interior.