O oitavo boletim de balneabilidade divulgado nesta quarta-feira (04), pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP), apresenta dez pontos próprios para banho no litoral, sendo que oito estão situados na orla e outros dois pontos nos rios do município de Morretes. São eles: balneários Flórida, Riviera (2,5 km do Rio Matinhos) e praia Mansa de Caiobá, no município de Matinhos; Prainha, Caieiras, praia Central (ao lado do Morro do Cristo) e balneários Nereidas, em Guaratuba; e Barra do Saí, além dos rios Nhundiaquara e Marumbi.

“Como era esperado, após uma semana de ausência de chuvas intensas e sem novas frentes frias, o número de pontos próprios aumentou e, se continuarmos com boas temperaturas, tende a melhorar ainda mais. A coleta realizada no dia 2 de fevereiro mostrou que 27 pontos estão com índices inferiores a 800 bactérias por mililitro de água, ou seja, se dependêssemos apenas desta coleta teríamos 27 pontos próprios para banho no Litoral”, declarou o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues.

“Houve redução dos índices de escherichia coli em 16 praias, principalmente nos balneários dos municípios de Matinhos e Guaratuba. Ilha do Mel e as praias do município de Pontal do Paraná apresentaram em geral aumento nos índices da bactéria contaminante, possivelmente associada à corrente de deriva para Norte que esta sendo empurrada pela forçante dos ventos Nordeste que predominou nos últimos 7 dias no litoral”, explicou a bióloga Franciane Pellizzari, que está coordenando as análises da balneabilidade.

Monitoramento

O IAP, em parceria com a Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de Paranaguá (Fafipar), monitora 48 pontos onde há maior fluxo de banhistas e risco de contaminação por esgoto doméstico, conforme determina a lei.

Para se chegar ao resultado final, divulgado às quartas-feiras, o trabalho começa com a coleta de amostras de água nestes locais na segunda-feira, primeiro dia depois do fim de semana, quando é maior o número de veranistas. As amostras são analisadas no laboratório recém-inaugurado pelo governo do Estado na Floresta Estadual do Palmito.

“Neste processo, descobre-se qual o grau de contaminação da água, geralmente por esgoto, considerando o número de bactérias de coliformes fecais (Escherichia coli)”, relatou o presidente do IAP, Vitor Hugo Burko.

De acordo com a resolução 257, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), para um local ser considerado próprio para banho, deve-se ter 80% de amostras positivas em cinco resultados. Ou seja, o resultado de quatro das cinco análises amostradas pode apontar a presença de até 800 bactérias a cada 100 mililitros de água. Caso o último resultado apresente duas mil bactérias, imediatamente o local passa a ser considerado impróprio, mesmo tendo histórico positivo.

Vale lembrar que os resultados representam apenas 200 metros de interdição – 100 metros à esquerda e 100 metros à direita das placas indicativas. “Ou seja: nos locais onde não existem placas indicativas do IAP, significa que não há risco de contaminação”, lembrou o presidente do IAP, Vitor Hugo Burko.