Se o Natal e o Dia das Mães são as principais datas para o grande comércio, para os motéis o Dia dos Namorados é imbatível. “O movimento começou na segunda e vai até sexta”, garante Ari da Cruz, dono do Motel Emoções, na BR-277. Segundo ele, o Dia dos Namorados deste ano caiu em uma boa data. “O movimento deve triplicar. Quarta-feira é um bom dia, porque o fim de semana já tem a clientela habitual.”

A explicação para o movimento pode estar na freqüência dos chamados “namorados ou namoradas profissionais”, que, ao longo da semana, levam as várias parceiras ou parceiros para o motel. “Na segunda é uma, na terça outra e na quarta a oficial”, explica.

Os casos extraconjugais, às vezes, acabam mal. Ary lembra de um acidente de carro que acabou com um casamento. “O rapaz bateu em um carro no estacionamento do motel, reconheceu que era do amigo e no outro dia foi pedir desculpas, perguntar quanto era a conta. Mas quem tinha ido ao motel era a esposa com o amante”.

Fidelidade à parte, o certo é que na quarta-feira os apaixonados não têm muita opção. Os motéis devem estar lotados e as filas grandes. Entre uma e duas horas aguardando, diz Ary. Para evitar que o cliente vá embora, o Emoções serve drinques. “È uma cortesia”.

Parece que dá certo, já que a maioria da clientela espera. “O motel fica lotado todo o dia. Sai um, entra outro”, diz Ary.

Apesar da rotatividade, os quartos costumam ficar mais arrumados no Dia dos Namorados, “É menos bagunça e mais sentimento”. E, os que mais se destacam no quesito ordem e limpeza são os casais gays, que segundo Ary até arrumam a cama.