Ontem à tarde, a Ponte Manoel Ribas, mais conhecida como Ponte dos Arcos, localizada na BR-476, em União da Vitória, foi interditada. A recomendação da interdição veio do Ministério Público de Guarapuava e foi realizada pelo Departamento Nacional de Infra-Estrutura em Transportes (DNIT), com a colaboração do Departamento de Estradas de Rodagem (DER).

A partir de agora, o acesso ao município de União da Vitória está sendo feito apenas pela Ponte Domício Scaramella, que recentemente foi restaurada. A Ponte dos Arcos é uma construção antiga. Inaugurada na primeira metade do século passado, a ponte foi a primeira transposição rodoviárias sobre o Rio Iguaçu na BR-476, uma das ligações entre o Paraná e Santa Catarina.

Apesar da interdição, que dá um caráter emergencial à obra, ainda não existe uma previsão do início dos trabalhos de recuperação. ?Vamos aguardar a decisão em Brasília. A verdade é que foi entregue um relatório detalhado da grave situação das pontes no interior ao Tribunal de Contas da União. Por isso, acreditamos numa sensibilização breve?, diz o engenheiro Gilberto Massucheto. Ele é o coordenador regional do DNIT e avisa que antes de uma previsão de obras, será necessário um estudo profundo da situação da ponte. ?Sabemos do problema estrutural em um dos pilares, mas o ideal é que se faça um estudo detalhado, para que a restauração seja eficiente?, diz. O referido pilar baixou, provocando um desnível na pista e a cessão do asfalto, com o rachamento do concreto.

O prefeito de União da Vitória, Hussein Bakri (PSDB), lamentou a interdição e assegurou que a Prefeitura não poderá ajudar a arcar com os custos da obra, já que se trata de uma ponte grande. ?Vamos ter que esperar a decisão da União ou do Estado. O que sabemos é que o Tribunal de Contas está sensível em relação ao problema?, diz, lembrando que representantes do TCU estiveram na região há dois dias. Segundo o prefeito, a interdição da ponte prejudicará especialmente os moradores da região dos Conjuntos e do bairro Dona Mercedes.

Acordo

O coordenador do Dnit no Paraná, David Gouvêa, voltou a ressaltar que a solução das problemáticas das pontes só deve acontecer, definitivamente, com o fim do impasse entre a União e o Estado em torno da medida provisória 82, que no início do ano transferiu a jurisdição de alguns trechos de BR aos governos estaduais.