Das 20 obras do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit) que apresentaram indícios de irregularidades na lista das 48 obras divulgada pelo TCU, três são do Paraná.

A operação tapa-buracos da BR-466 da ponte Manoel Ribas, na divisa do Paraná com Santa Catarina, é acusada de sobrepreço, assim como a construção do contorno rodoviário no município de Foz do Iguaçu, oeste do Estado, na BR-469.

No caso da obra de Foz e também da construção do trecho rodoviário entre Porto Camargo e Cruzeiro do Oeste, na BR-487, o TCU apontou subcontratação irregular de contrato. A obra da BR-487 teria ainda outras irregularidades graves no processo licitatório.

Para a superintendência regional do Dnit, a lista do TCU não traz nada de novo do que já havia sido divulgado anteriormente e para obras que o Dnit-PR já encaminhou explicações.

“O TCU tem uma maneira de enxergar as coisas, nossos técnicos têm outra. Ninguém está aqui para fazer irregularidades, estamos aqui para fazer obras”, defendeu-se o superintendente do Dnit-PR, David Gouvêa.

O Dnit entende que são detalhes mínimos apontados e reconhece que o TCU tem sido crítico na fiscalização das obras. “Eles têm procurado minúcias, o que para nós é muito bom. Há apenas indícios, mas não irregularidades, ou seja, alguém entendeu de outra forma o procedimento e está pedindo explicações”, ressaltou o superintendente.

Gouvêa acrescentou ainda que nenhuma irregularidade foi apontada nas obras de 2007 e 2008, período em que o Dnit iniciou diversos trechos, segundo o superintendente.

Novas obras

Gouvêa anunciou que outros 18 editais de obras devem ser lançados nos próximos dias, incluindo 635 quilômetros de restauração de estradas pelo Estado. Entre os trechos estão Marechal Cândido Rondon – Guaíra e Lapa – São Mateus do Sul, que prevê reparação com melhoramentos. Há pelo menos outros 45 empreendimentos sendo realizados em todo o Paraná.