A expressão furar fila é crime e real, ainda mais em um período de pandemia. Sendo assim, a Polícia Civil do Estado do Paraná (PCPR) está apurando situações em que indivíduos passaram à frente dos outros para receber a primeira dose da vacina contra a covid-19. A punição pode levar essas pessoas à prisão de até um ano por descumprir uma medida sanitária preventiva. Segundo a Controladoria-Geral do Estado (CGE), até o dia 17, pelo menos 355 denúncias foram registradas no Paraná.

A investigação policial teve início com imagens expostas nas redes sociais daquelas pessoas que teriam furado a fila ou seja, não fazem parte dos primeiros grupos da Campanha Nacional de Imunização.

Aline Manzatto, delegada da PCPR, relata que muitos divulgam que receberam a vacina e isto pode ser usado como prova do erro. “Estamos apurando estas fraudes ao escalonamento, os chamados fura-filas. Este perfil nas redes sociais zomba de toda a sociedade como se fosse um trofeu. Todas as medidas serão tomadas e a investigação esta sendo rigorosa. Qualquer situaçao que a populacao tome conhecimento, nos informe como forma de punicao. Estas pessoas sao criminosas, disse a delegada responsável pela Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Saúde ( Decrisa).

A punição seria de até um ano de prisão e se o responsável for um servidor público, a pena ainda pode ocasionar a perda do cargo. O trabalho ocorre em parceria com o Ministério Público da Saúde e do Patrimônio Público.

Flagrou? Denuncie!

Qualquer pessoa pode fazer a denúncia pelos telefones 0800 041 1113 e (41) 3883-4014, que atende pelo aplicativo Whatsapp. Pela internet, há um botão específico no portal www.coronavirus.pr.gov.br, mas também pode-se registrar a manifestação no site da CGE, na aba Ouvidoria. Se preferir usar e-mail o denunciante deve enviar o material para ouvidoria@cge.pr.gov.br.