O prefeito eleito de Fazenda Rio Grande, Francisco Luiz Santos, suspendeu um processo de liberação de área para instalação de um aterro sanitário particular na cidade.

O município é um dos três analisados pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) como possível sede da usina de aproveitamento de resíduos do Consórcio do Lixo de Curitiba e Região Metropolitana, que substituirá o aterro da Caximba.

O pedido para a construção de um aterro particular foi apresentado pela empresa Estre Ambiental, que trabalha com gestão de resíduos sólidos desde 1999. A autorização para instalação foi concedida em 2007, pela gestão municipal anterior.

Uma das diferenças entre o local cedido para o aterro particular e onde possivelmente será construído o aterro público é que o primeiro ficaria numa região rural, distante da cidade.

Caso o processo fosse concluído, a empresa ocuparia uma área de 112 alqueires em Fazenda Rio Grande, mesma área que seria ocupada pela usina do Consórcio do Lixo. A equipe de O Estado procurou o prefeito da cidade, Francisco Luis Santos, mas não houve resposta.