O Fórum Paranaense de Mudanças Climáticas ? coordenado pela Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos ? promove, na próxima quinta-feira (21), em Curitiba, o seminário ?Aterros Sanitários e Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Paraná?. A abertura do evento será feita pelo secretário do Meio Ambiente, Rasca Rodrigues.

Realizado em parceria com o Centro de Referência em MDL do Instituto Superior de Administração e Economia da Fundação Getúlio Vargas (ISAE/FGV), o seminário tem como objetivo discutir as políticas estaduais de resíduos sólidos e possibilidades de implantação de projetos de MDL no Estado. O evento é aberto ao público e foram abertas 140 vagas. As inscrições podem ser feitas até esta quarta-feira (20), no site www.fgvpr.br, em que está programação do seminário.

De acordo com o secretário, um dos principais temas abordados será a redução da emissão dos gases poluentes nos aterros sanitários. ?A decomposição dos resíduos orgânicos é uma grande fonte de emissão de gases, principalmente o metano, que é 22 vezes mais poluente que o gás carbônico. Hoje, existe a grande necessidade de buscar formas de utilizar esses resíduos de maneiras diferentes, como, por exemplo, fonte de energia? explicou Rasca.

Segundo a coordenadora do Fórum, Manyu Chang, o número de emissões nestes depósitos está aumentando. ?Somente no município do Rio de Janeiro, entre os anos de 1990 a 1998, o Potencial de Aquecimento Global (o volume de emissões de gás carbônico e metano na atmosfera), aumentou em 10% , passando de 27% para 37%?, exemplificou.

Durante o seminário, haverá mesa redonda com a participação de prefeitos paranaenses, que irão trocar experiências sobre o tratamento dos resíduos em suas regiões. Conforme a legislação, a responsabilidade pela disposição do lixo é municipal. Para o secretário, é fundamental conhecer as dificuldades que os gestores municipais encontram. ?Assim, o Estado pode estabelecer uma política que contribua e oriente as prefeituras?, completou Rasca.

Outra alternativa a ser apresentada será o consórcio de aterros intermunicipal, que atende vários municípios de uma mesma região. Segundo Rasca, hoje, o Estado conta com três aterros regionalizados: o aterro da Caximba (que recebe resíduos de Curitiba e de 14 municípios da região metropolitana), um aterro que atende Matinhos e Pontal do Paraná (no litoral do Estado), além do aterro sanitário consorciado entre quatro municípios do Norte Pioneiro (Jaboti, Pinhalão, Japira e Tomasina). ?Atualmente, estão em fase de estudo de área e viabilidade a instalação de outros 55 aterros consorciados, que poderão atender 385 municípios paranaenses?, informou o secretário.