Um protesto organizado pela Associação Brasileira de Enfermagem – Seção Paraná (ABEn-PR), levou mais de 350 enfermeiros, estudantes e técnicos de enfermagem às ruas de Curitiba ontem. Os manifestantes pedem agilidade nas investigações sobre fraudes no Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) e também reivindicam uma intervenção no Conselho Regional de Enfermagem do Paraná (Coren-PR).

No dia 28 de janeiro, o diretor do Cofen, Gilberto Linhares Teixeira, e mais 14 pessoas foram presas sob acusação de fraudes que totalizavam na época R$ 50 milhões. Os conselhos regionais também estão sendo investigados.

Segundo a presidente da ABEn no Paraná, Simone Aparecida Peruzzo, o principal problema do conselho da classe no Estado é a gestão da atual diretoria, comandada por Jurandy Kern Barbosa.

De acordo com a estudante de enfermagem da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que ajudou a mobilizar a comunidade acadêmica, Lívia Montenegro, o estatuto do Coren não permite reeleições. ?Eles boicotam o processo eleitoral todo ano, para manter a mesma equipe na diretoria do conselho?, afirma.

Por meio de sua assessoria, Jurandy afirmou ainda que não existe qualquer denúncia ligada ao Conselho no Paraná e, se elas existirem, estão sendo apuradas.