Foto: Aliocha Maurício

Alípio Leal: Paraná está atrasado.

Será anunciada hoje, em Curitiba, a criação da terceira instituição federal de ensino do Estado. A Escola Técnica da Universidade Federal do Paraná do Paraná (UFPR) será transformada em Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifet-PR). A instituição passará a ser uma autarquia, ganhará seis centros avançados no litoral e interior do Estado, abrindo inicialmente ao menos seis mil vagas. As aulas estão programadas para começar em 2009.  

O anúncio será feito pelo diretor de Apoio Institucional do Ministério da Educação, Irineu Colombo. A expansão faz parte do Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE) do governo federal. O diretor da Escola Técnica, Alípio Leal, comemora a mudança, mas afirma que o Paraná está atrasado e que em algumas áreas já falta mão-de-obra especializada, enquanto que em outras está sobrando. ?No curso de técnico em contabilidade, por exemplo, temos gente formada em direito, arquitetura, entre outros.?

Hoje a Escola Técnica tem mais de 20 mil alunos. Cerca de três mil na modalidade presencial. São ofertados curso de ensino médio, cursos técnicos e tecnológicos, esses últimos de nível superior. Com a transformação, o Ifet-PR terá mais seis mil vagas só na modalidade presencial. As cidades que vão abrigar os centros avançados são: Paranaguá, Umuarama, Paranavaí, Telêmaco Borba, Jacarezinho e Foz do Iguaçu. Depois de instalados, também será possível a criação de vagas para o ensino à distância.

Os cursos que serão oferecidos em cada centro ainda não foram definidos. ?Dependerá da realidade de cada região. Em Paranaguá, por exemplo, haverá alguns ligados à área portuária, sem descartar as demais?, diz Alípio. No fim do ano, começam as licitações para a construção dos centros. O governo federal está destinando para cada um entre R$ 4 e R$ 5 milhões. Segundo Alípio, estão sendo feitas parcerias com os municípios e isto também vai gerar economia. O dinheiro restante, poderá ser investido para criar mais unidades em outros municípios.

O início das aulas será gradativo, os primeiros cursos devem começar a funcionar no começo de 2009. Em 2008, também será aberto processo seletivo para a contratação de professores, cada novo centro precisará de cerca de 40 docentes.