Se você pensa em fazer concurso público, esta é a hora. O mercado de seleções está aquecido, o que movimenta candidatos e cursos preparatórios, presenciais ou online. Para a região de Curitiba são mais de 400 vagas, sem contar as provas abertas em todo o País que também são destinadas a municípios do Paraná, para cargos que exigem nível fundamental, médio e superior. Nacionalmente foram autorizados para este ano concursos em 21 órgãos federais que abriram mais de 15 mil vagas, de acordo com o Ministério do Planejamento.

O ciclo de concursos públicos dura em média dois anos e a previsão do coordenador pedagógico do Curso Aprovação, Carlos André Tamez, é que o bom momento permaneça por aproximadamente 12 meses, entre o segundo semestre deste ano e a primeira parte de 2014. “Atualmente o governo está num período de oferta de vagas. A máquina pública não pode parar, pois, por mais que sejam feitas contratações, também acontecem aposentadorias e exonerações”, observa. Ele estima que a partir de 2015 a realização de seleções deve cair.

Sonho

Nos cursos, as salas já estão lotadas de candidatos que procuram boa remuneração e estabilidade, o que nem sempre se encontra no setor privado. São alunos com idades e áreas de atuação variadas, que têm em comum o desejo de ocupar um cargo público. A preparação, no entanto, não começa no período ideal. De acordo com o professor e diretor do Curso Solução, João Viana, são necessários pelo menos seis meses de estudos para alcançar bom desempenho nas provas.

“O aluno do Paraná não tem a consciência de preparação antecipada. Se espera a publicação do edital e aí nos procura, a preparação é mal feita, o estudante vê o conteúdo de forma superficial”, avalia. Os cursos acontecem durante todo o ano, e abordam desde conteúdos comuns a todas as seleções, como língua portuguesa, raciocínio lógico e informática, até programas especializados a cada concurso. Os preços também variam de acordo com a seleção. No curso de Viana, o valor vai de R$ 500 a R$ 900, que pode ser parcelado.

Provas difíceis e concorridas

A internet também se revelou fonte bastante escolhida pelos chamados concurseiros. “Em um só lugar é possível encontrar materiais de estudos, profissionais especializados ao alcance de cliques e grande diversidade de cursos”, afirma a editora do site SOS Concurseiro, Letícia Nobre, que observa mercado bastante profissional, que engloba provas mais difíceis, concorrência mais acirrada e aumento do número de cursos preparatórios.

Concurseira não desiste

Felipe Rosa
Aline: meta.

Com 11 concursos e cinco aprovações no currículo, a professora Aline Kosloski Miranda de Oliveira Trindade é, sem dúvida, uma concurseira de carteirinha. A maratona de provas começou aos 19 anos e não se sabe quando irá parar já que considera uma meta passar por todas as instâncias do governo.

A primeira aprovação foi na prefeitura de Curitiba, para cargo de nível médio. Durante o trabalho cursou a faculdade de Pedagogia e depois foi aprovada para ser professora em Pinhais, Araucária e São José dos Pinhais, onde passou a trabalhar. Agora, aos 26 anos, aguarda a nomeação como professora municipal de Curitiba, sem deixar de se preparar para concursos das polícias Federal e Rodoviária Federal.

“Sempre quero subir. É legal dizer que sou funcionária pública”,, diz Aline, que também participou do concurso para o Tribunal de Justiça, Correios, Tribunal Regional Eleitoral, Polícia Militar (entre as 22 primeiras mulheres), INSS e Banco do Brasil. Para ela, a superação nos estudos e a mudança de vida são as principais conquistas. “No primeiro concurso não tinha dinheiro para pagar a inscrição de R$ 50. Já fiz faculdade, pós-graduação em Gestão Pública. É tudo de bom”, conta ela, que já investiu R$ 3 mil em cursos e incentivou toda a família a aderir aos concursos. Aline diz ainda que acredita no potencial de cada um. “Muita gente pensa que não vai conseguir, mas tem capacidade”, opina.

Dicas de especialistas

Não adianta começar em cima da hora. Os especialistas em concursos garantem que a preparação deve acontecer durante todo o ano, independente da divulgação de editais. “Geralmente o candidato vê que tem concurso e aí pensa na apostila, mas vai competir com quem já está estudando há mais tempo”, afirma o coordenador de cursos para concursos da Rede LFG, Alessandro Sanchez, que alerta: é importante ter foco na vaga que vai escolher. “Não basta ir atrás de qualquer edital, é preciso ter prioridades, refletir as possibilidades para sua carreira”, orienta.

Também não é saudável deixar de ter momentos de lazer durante a rotina de estudos. Isso melhora o desempenho, que deve ser de maneira gradual. “Cuide de destinar mais tempo às matérias que considera difíceis; diversifique as matérias de estudo; se assistiu uma aula, estude o mais próximo possível de seu término. Sempre reveja o seu horário”, alerta Sanchez.

Sem angústias

O presidente do site Rota dos Concursos, Hélio Guilherme, também destaca os conflitos que podem surgir durante o caminho, entre eles as reprovações. Ele afirma que, traçada a meta, o importante é não desistir. “A meta deve ser ir avançando nas colocações a cada nova prova. É interessante que o aluno avalie o seu grau de evolução de acertos através dos assuntos que mais caem em concursos público”, diz.