Doença cardiovascular crônica, diabetes mellitus e obesidade são as comorbidades mais associadas à morte por Covid-19 no Paraná. Os dados fazem parte das estatísticas dos boletins epidemiológicos divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). O grupo de pessoas com comorbidades está sendo contemplado na fase atual da vacinação contra a doença no estado.

De acordo com a Sesa, cerca de 80% dos paranaenses que morreram em virtude do coronavírus tiveram identificado algum fator de risco, também outros perfis, como idosos, gestantes e indígenas. No pódio das comorbidades, as doenças cardiovasculares crônicas é a campeã, sendo associada a 44% das mortes, seguida pela diabetes mellitus com 29% e obesidade em 12% dos óbitos.

LEIA TAMBÉM:

>> Tomar vacina com intervalo maior entre as doses pode proteger mais contra a covid-19

>> Estresse causado pela pandemia faz crescer os casos de bruxismo

Outras comorbidades associadas a mortes por Covid-19 são doença neurológica crônica (7%), pneumopatias crônicas, doença renal crônica (ambas com 6%), imunodeficiência/imunodepressão, asma (ambas com 3%), doença hepática, doença hematológica (ambas com aproximadamente 1%) e Síndrome de Down (0,33%). A soma supera os 100% porque há casos em que o paciente que vai a óbito apresenta mais de um fator de risco.

César Neves, chefe de gabinete da Sesa destaca que muitos agravamentos decorrem da forma como o coronavírus se associa a fatores da doença pré-existente. “Entre as doenças cardiovasculares, destacam-se hipertensão, insuficiência cardíaca, se a pessoa já teve enfarte. A Covid-19 não é só uma doença infecciosa. No início, achávamos que era parecida com a (influenza) H1N1. A Covid tem manifestações cardiovasculares e hematológicas, então muitas pessoas com a doença têm AVC, eventos tromboembólicos”, aponta. “A diabetes é um complicador porque diminui a imunidade e a obesidade, pela associação à síndrome multimetabólica, com riscos como as próprias doenças cardiovasculares e diabetes” explicou Neves.