Durante duas horas, estudantes da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) dificultaram a passagem dos veículos na BR-376, na altura do Parque Estadual de Vila Velha, ontem pela manhã. Entre 10h e 12h os manifestantes se revezavam no fechamento das duas pistas a cada quinze minutos. A intenção era chamar a atenção do governador Roberto Requião (PMDB), que visitava o parque, para que ele mude sua posição em relação à suspensão do curso de Medicina da UEPG.

O coordenador do Diretório Central de Estudantes (DCE) da UEPG, Felipe Fontana, disse que os estudantes queriam ser ouvidos pelo governador, mas ele chegou ao local de helicóptero e não os atendeu. “Não é apenas uma batalha pela Medicina. O movimento é pela instituição toda”, afirmou, destacando que quando o curso de Medicina foi aberto em Ponta Grossa houve muita discussão, já na sua suspensão o governo não discutiu com ninguém e o fez por decreto.

Na manhã de ontem os alunos de Medicina se reuniram com o coordenador do curso para definir as transferências. Na quinta-feira, uma decisão do Tribunal de Justiça do Paraná cassou a liminar que garantiu a realização das aulas na quarta e na quinta. A única estudante a não assinar a transferência para outra universidade estadual foi Michella Przybyciben. “Tenho medo de perder a vaga. Mas esse medo é menor do que minha vontade de fazer justiça como cidadã”, disse.