O prefeito Cássio Taniguchi e os secretários municipais da Educação, Paulo Schmidt, e da Saúde, Michele Caputo Neto, lançaram na última sexta-feira, a campanha Escola Saudável. O primeiro passo do projeto ? que faz parte do programa Vida Saudável, da Secretaria Municipal da Saúde ? foi implantar nas 156 escolas municipais o programa Ambiente Livre do Cigarro.

O lançamento do projeto foi na escola municipal Lauro Esmanhoto, no Pilarzinho. Ali são sete professoras, quatro delas fumantes. “Mas que a partir de agora podem ser consideradas ex-fumantes”, disse a diretora Cristiane Bianchini dos Reis Siqueira. As educadoras se empolgaram tanto com a campanha que decidiram abandonar o vício. “Temos o nosso fumódromo, mas esperamos que ele seja apenas um enfeite”, completou Cristiane.

Segundo Paulo Schmidt, um dos principais fatores para incentivar professores a aderiir à campanha é o fato de, comprovadamente, o cigarro ser o maior responsável pelos problemas vocais. “A voz é o instrumento básico do educador e o cigarro é o inimigo número um da voz dos professores”, disse.

Em cada uma das 156 escolas foi instituída uma comissão local (composta de fumantes e não-fumantes) para negociar e executar as etapas de implantação do projeto Escola Livre do Cigarro. Essa comissão vai orientar e informar os funcionários das escolas sobre as atividades relacionadas à campanha. Também vai retirar dos locais todos os cinzeiros e qualquer tipo de material promocional de cigarros, além de distribuir materiais sobre o assunto para os funcionários, alunos e pais.

Filho exemplar

O pequeno Jean Miguel de Almeida, de 7 anos, é um filho exemplar. Depois de saber de todos os malefícios do cigarro, resolveu entrar de cabeça na campanha anti-tabagista iniciada na escola Lauro Esmanhoto. Pegou no pé da mãe, fumante. “Eu digo para ela que o cigarro faz mal à saúde, que faz com que as pessoas morram mais rápido”, conta o aluno da 2.ª série. “Digo assim: “Mãe, não fuma mais, não. Não quero que você morra cedo?. Ela me escutou.” Jean diz que, sempre que ele chega da escola, a mãe pára de fumar. “Tem dias que ela não fuma nem um maço, mas eu tenho de chegar rápido”, explica. Mas a campanha na casa dele não fica só na mãe. O pai e o irmão mais velho também fumam. “Não quero que eles façam isso. Quero tirar todos eles dessa situação tão ruim.”