A ocupação da casa inacabada do estudante da Universidade Estadual de Londrina (UEL) completa hoje uma semana. Os estudantes, que permanecem encapuzados para não serem identificados, garantem que querem discutir o processo de seleção e a distribuição de vagas. A ocupação aconteceu depois da divulgação da lista de selecionados para a atual Casa do Estudante, que fica no centro de Londrina e é alugada pela universidade.

Na atual seleção, 119 estudantes se inscreveram para 118 vagas. No entanto, segundo informações da UEL, 17 processos não foram aceitos: ou porque os alunos não apresentaram documentação ou foram reprovados por falta, que é um critério eliminatório para a seleção. Mesmo não confirmando a informação, tudo indica que a maioria dos alunos que ocupa o prédio é de excluídos da seleção.

O prédio ocupado foi entregue no ano passado, mas por falta de condições estruturais ainda não foi liberado para a moradia dos estudantes. De acordo com um dos alunos que permanece no prédio, o local não possui energia elétrica e, durante o final de semana, o abastecimento de água também foi cortado. ?A dificuldade maior aqui era a comida, mas agora conseguimos um botijão de gás. A água que temos é só da caixa?, disse. Ele não quis revelar quantos estudantes estão no prédio.

Segundo o aluno, eles esperam uma resposta do Conselho Administrativo (CA) sobre as reivindicações dos estudantes. Entre elas estão a participação no processo de seleção para as vagas, bem como ampliação do número de moradias estudantis. A UEL informou que o CA deve se reunir na quarta-feira para discutir o assunto. Embora a informação não tenha sido confirmada pela UEL, ainda ontem a reitoria deveria solicitar à Justiça um pedido de reintegração de posse do prédio.