No município de Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba, a fábrica Art Vidro Bunor há dez anos trabalha exclusivamente com a reciclagem de vidro – que ao contrário de outros materiais, leva milhares de anos para se decompor, gerando uma série de prejuízos ao meio ambiente. Entretanto, ele é 100% reciclável.

A fábrica produz potes, fruteiras e suportes para bolo até objetos de decoração, como vasos, flores e baleiros, com custo ao consumidor que varia de R$ 2 a R$ 250. “Adquirimos o vidro de catadores de materiais recicláveis e o transformamos. O material é moído, lavado e vai para fundição (em forno com temperatura de 1350º C), processo que pode demorar até três dias. Posteriormente, o vidro é recolhido e vai para modelagem”, conta o chefe de produção e expedição da fábrica, Marcelo de Villa, que também é hialúrgico, nome dado ao profissional que sopra e molda vidro (a arte de soprar e modelar é conhecida como hialurgia). Segundo Marcelo, a intenção da Brunor, que comercializa produtos em todo Brasil, é justamente tirar resíduos da natureza e incentivar as pessoas a separarem o lixo para reciclagem. “Não fabricamos vidro, o que para nós seria até mais fácil, sendo que para a fabricação só precisamos de areia. Queremos tirar da natureza um produto que, nela, estaria perdido”, diz. “Mensalmente, reciclamos entre 16 e 20 toneladas de vidro.”