Uma passeata contra a violência reuniu neste sábado, em Curitiba cerca de 300 pessoas entre familiares e amigos de Ana Cláudia Caron, 18 anos, encontrada morta com o corpo carbonizado na última quinta-feira, em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba, após ficar desaparecida por dois dias.

Durante a manifestação, os participantes pararam em frente à Catedral Nossa Senhora da Luz e fizeram um minuto de silêncio antes das orações e, em seguida, prosseguirem até o local conhecido por Boca Maldita.

Para Madison Ramos, pai do namorado da vítima, é preciso fazer ações mais fortes contra a criminalidade. Em sua opinião, é alarmante saber que este foi o sexto caso na região. "Essa é a sexta vítima encontrada na região, não podemos mais tolerar esses abusos. A polícia precisa fazer justiça, agir de forma efetiva para que ela (Ana) não seja apenas mais uma vítima", disse.

A polícia divulgou nessa sexta-feira um retrato falado do suposto assassino, mas ainda não conseguiu prendê-lo. O delegado Rubens Recalcatti, da Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba, disse que as investigações continuam.