O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) está precisando de doadores de sangue. Normalmente, o número de doadores diminui entre 30% e 50% nos feriados prolongados. O Hemepar de Curitiba, por exemplo, precisa de 120 doadores diários, para suprir a demanda de 40 hospitais da capital e Região Metropolitana. A rede do Hemepar no Paraná é composta por 24 unidades, que recolhem sangue para amparar cerca de trezentos hospitais em todo o Estado.

Conforme a diretora da Divisão de Relações Comunitárias do Hemepar de Curitiba, Vera Hirata, o principal problema nos feriados é a reposição das plaquetas. A vida útil delas é de apenas cinco dias. “Elas são responsáveis por estancar o sangue. Esse fator de coagulação é importantíssimo principalmente em hemorragias causadas por acidentes”, afirmou Vera.

A diretora explicou que para poder doar sangue a pessoa tem que pesar no mínimo 50 quilos, ter entre 18 e 65 anos, estar bem alimentada, ter dormido na noite anterior, não ter ingerido álcool nas últimas quatro horas e levar um documento de identidade.

Em dias de feriado, embora menos pessoas estejam em Curitiba, o movimento do Pronto Socorro do Hospital Cajuru é o mesmo. Diariamente são cerca de 150 atendimentos. “Em 90% dos casos, os atendimentos são causados por problemas que resultaram do consumo de álcool em excesso. São acidentes automobilísticos, pessoas que bebem e brigam com amigos e parentes, levam tiros e facadas. Tudo causado pela bebida”, revelou o cirugião-geral do PS do Hospital Cajuru, Marlon Rangel.

Segundo dados das policias rodoviárias federal (PRF) e estadual (PRE), entre sexta-feira e o início da noite de ontem já tinham acontecido 279 acidentes nas estradas paranaenses, com 220 feridos e 15 vítimas fatais. Os dados da PRE mostram 184 acidentes, 165 feridos e 10 óbitos. Já nas estradas fiscalizadas pela PRF (dados até zero hora de ontem) foram registrados 85 acidentes, com 55 feridos e cinco óbitos.

A previsão da Ecovia era de que 12 mil veículos fossem até o litoral do Estado ontem pela BR-277. No final da tarde, o fluxo de veículos era considerado normal, 740 por hora descendo a Serra do Mar e 630 subindo. O movimento na BR-376, em direção às praias de Santa Catarina, também era considerado tranqüilo.