As ruas do centro da cidade foram tomadas pela grande celebração católica à Sexta-Feira Santa na tarde de ontem. A Avenida Marechal Floriano foi o ponto de encontro de quatro procissões que partiram das paróquias da região central e seguiram rumo à Catedral, na Praça Tiradentes. Diante de milhares de fiéis, o arcebispo metropolitano, dom Moacyr Vitti, comandou a celebração da Paixão do Senhor.

As procissões partiram das paróquias do Perpétuo Socorro, Bom Jesus dos Perdões, Nossa Senhora do Guadalupe e Santo Estanislau, carregando as imagens do Cristo Morto e de Nossa Senhora das Dores. Segundo a tradição cristã, a Sexta-Feira Santa é o dia da crucificação e morte de Jesus Cristo e, junto ao Sábado de Aleluia e o Domingo de Páscoa, marca o mais importante período do calendário litúrgico. “Celebramos o dia do amor. A morte de um Deus que assumiu sua humanidade para nos salvar. É um dia de sofrimento, mas também de alegria”, diz dom Moacyr.

Louvor

Em meio aos fiéis, cada qual encontrava sua própria maneira de louvar a Cristo. Os mais tradicionais, como Maria Aparecida Siqueira, dona de casa, se apegam à tradição e são rígidos na hora de cumprir os rituais. “Hoje termina um período de resguardo e penitência, que é Quaresma. Para mim, é o dia mais imporante do ano”, afirma.

Outros, menos atentos às tradições e moderados nas penitências, garantem que isso não torna mais fraca sua fé. “Não mudo meus hábitos e alimentação, mas para mim este é um dia de resguardo”, diz o comerciante Tiago Roberto Vilbrantz.

Veja na galeria de fotos a celebração da Sexta-Feira Santa.