Ciciro Back / GPP
Ciciro Back / GPP

Paulo: "Planeta foi habitável".

O físico brasileiro Paulo Antônio de Souza Júnior faz parte de um seleto grupo da Nasa, a agência espacial norte-americana, que está dando os primeiros passos para desvendar, entre outros segredos, se afinal existiu ou não vida em Marte.

"Sem sombra de dúvidas, o planeta foi habitável. Agora precisamos enviar outra missão a Marte para determinar a resposta", explica o físico. Souza é o único dos 58 cientistas que participa do programa que enviou dois robôs ao planeta, o Opportunity e o Spirit, oriundo do hemisfério sul. O físico esteve esta semana em Curitiba para uma série de palestras.

Esta é a segunda vez que ele participa de um projeto para enviar robôs exploratórios para Marte. Quando fazia doutorado na Alemanha, foi convidado a integrar a equipe Mars Express da agência espacial européia que enviou uma sonda ao planeta vermelho. Infelizmente a sonda foi destruída na entrada da atmosfera de Marte, mas a experiência ajudou Souza a realizar um sonho. "Estudava como fazer equipamentos em miniatura para missões espaciais, e foi isso que acabou abrindo as portas para eu trabalhar na Nasa", conta. Filho do ensino público brasileiro, o físico diz que, apesar da sorte, foi necessária muita perseverança para chegar à Nasa.

Pisar em Marte

O cientista revela que os dois robôs que ajudou a pôr no espaço e dos quais agora analisa os dados enviados, têm finalidade geográfica. "Eles descobriram que existiu água em Marte. E na nossa concepção, é o elemento fundamental para que haja vida", diz. Mas para encontrar fósseis ou indícios de que os "homens verdes" realmente existiram, a Nasa está preparando outra missão.