O Fórum de Defesa dos Usuários das Rodovias Pedagiadas do Paraná ingressou ontem na Justiça Federal, em Curitiba, com uma medida cautelar contra o reajuste das tarifas do pedágio no Estado. A idéia dos integrantes do recém-criado fórum é evitar o aumento do pedágio que estava previsto para o início do mês, mas até o momento ainda não foi divulgado.

O advogado do fórum, Ricardo de Lucca Mecking, explicou que a medida cautelar cita nove réus: a União; o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT); o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR); o secretário de Estado dos Transportes, Wilson Justus; e as cinco concessionárias que administram as rodovias do Anel de Integração.

Mecking afirmou que a medida cautelar visa coibir lesão futura aos usuários do pedágios. Para ele não é justo que a tarifa do pedágio seja majorada durante o final de um governo, como pretende-se fazer agora. “O secretário de Transportes declarou que o pedágio pode ser reduzido em 25% desde que as obras a serem realizadas pelas concessionárias também sejam reduzidas. Nossa ação visa não só impedir que o pedágio aumente, como também garantir o prosseguimento normal de todas as obras que devem ser feitas pelas administradoras das rodovias”, declarou Mecking.

O Fórum de Defesa dos Usuários das Rodovias Pedagiadas do Paraná foi criado na última semana por órgãos ligados aos caminhoneiros, transportadoras e usuários das rodovias de maneira geral. No último dia 2 de dezembro, o fórum promoveu um manifestação na praça de pedágio de São Luís do Purunã, na BR-277, impedindo o tráfego durante doze horas naquela rodovia.