Fumantes que estiveram pelo Litoral do Paraná deixaram cerca de cinco mil bitucas nas praias. O volume preocupa equipes da Sanepar, já que o cigarro está entre os maiores poluidores de ambiente. Em média, cada fumante descarta cerca de 10 cigarros por dia.

O volume de bituca de cigarro encontrado nas praias preocupa. Isso porque o tempo de decomposição desse tipo de descarte pode chegar a cinco anos, sem contar o fato de que ela contém mais de 4,7 mil substâncias tóxicas, o que prejudica o solo, contamina rios e córregos.

LEIA TAMBÉMChuvas fortes alagam Morretes, no Litoral do Paraná; veja imagens feitas por moradores

a demora na decomposição acontece porque 95% dos filtros de cigarro são compostos de acetato de celulose de difícil degradação. Ao chegarem ao mar, eles podem ser ingeridos pelos animais marinhos.

As bitucas encontradas nas praias não são apenas as deixadas pelos banhistas da região, mas também aquelas jogadas em outros lugares. De acordo com o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky, o mar traz para a areia as bitucas que vem dos bueiros, ruas das cidades. “Isso acaba indo para em rios e córregos e a maré traz até a areia. O impacto é grande e passa despercebido”, revela o diretor.

Além da Sanepar, a Ocean Conservancy também se preocupa com a poluição da região. A organização desenvolve soluções ambientais e realiza ações de limpeza de mares pelo mundo todo. Por 32 anos seguidos, as bitucas de cigarro foram o item mais encontrado por seus voluntários nas praias, somando mais de 60 milhões de unidades.

Cerca de 120 trabalhadores realizaram a limpeza da orla de Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná de 24 de dezembro de 2020 até o último domingo (28). O saldo de resíduos retirados da orla das praias do Paraná até a primeira quinzena de fevereiro já estava próximo de 700 toneladas.