Os funcionários da Bosch, maior indústria do setor metalúrgico no Paraná, decidiram em assembléia nesta segunda-feira (10) permanecer com a paralisação iniciada na última sexta-feira (7). A empresa, localizada na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), produz bombas injetoras e componentes para o sistema a diesel. Na unidade do Paraná, trabalham cerca de 5 mil empregados.

Segundo a assessoria do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, não houve acordo com os trabalhadores, porque a empresa não apresentou uma nova proposta salarial. A direção do sindicato e representantes da fábrica se reúnem às 15h, no Ministério Público do Trabalho, para discutir a questão. A expectativa do sindicato é de que a empresa apresente uma proposta que atenda às reivindicações dos trabalhadores.

O sindicato assegura que se isso não ocorrer, a tendência é que a paralisação se estenda por tempo indeterminado. Na assembléia de sexta-feira os metalúrgicos rejeitaram 11% de reajuste salarial (aumento real + correção de 100% da inflação) para abril do ano que vem e um abono de R$ 1,5 mil que seria pago no dia 9 de janeiro e decidiram paralisar a produção num protesto que duraria 72 horas. Haverá nova assembléia amanhã (11) na porta da fábrica, às 5h30, para decidir a manutenção da greve.