Os funcionários dos Correios entraram em greve às 22h desta terça-feira (19). A decisão foi tomada pela categoria em assembleia realizada na última noite e aprovou a paralisação sem data para terminar. Cerca de 1,3 mil funcionários da empresa em todo o Paraná devem cruzar os braços neste primeiro momento, segundo projeções do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios do Paraná (Sintcom). Além do Estado, a movimentação convocada pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) vai afetar os serviços em todo o Brasil.

De acordo com o secretário-geral do Sintcom, Marcos Rogério Inocencio, ainda não está confirmado o fechamento de nenhuma agência nesta quarta-feira (20), mas ele garante que praticamente todas as unidades dos Correios vão estar com atendimento comprometidos. Segundo ele, ainda falta definir alguns pormenores da greve com o resto do país, o que inclui o fechamento das agências e o número total de servidores que devem parar. O cronograma e as ações do movimento paradista devem ser anunciados somente na manhã de quarta (20).

Ainda assim, ele garante que serviços essenciais, como a entrega de correspondências e encomendas, até os serviços prestados pelas agências, como o Banco Postal, serão prejudicados. Inocencio afirma ainda que, no Paraná, cerca de 25% dos mais de 6,3 mil trabalhadores dos Correios aderiram à greve neste primeiro momento e a expectativa é que esse número aumente nos próximos dias.

A direção da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e a direção da Fentect chegaram a abrir negociação na tentativa de evitar a paralisação, mas, após três reuniões, os representantes dos trabalhadores saíram insatisfeitos com os termos das conversas e agora optam pela greve. A categoria pede 8% de reposição salarial e ainda se manifesta contra algumas ações, como a ameaça de demissão motivada, privatização, fechamento de agências, suspensão de férias e horas-extras, reformas trabalhista e previdenciária, entre outros assuntos. ]

Serviços garantidos

De acordo com a assessoria de imprensa dos Correios, a paralisação desta afetou os serviços nesta quarta-feira (20). Até o momento, todas as agências, inclusive nas regiões que aderiram ao movimento paredista, estão abertas e todos os serviços estão disponíveis.

Nesses locais, a empresa colocou em prática seu Plano de Continuidade de Negócios para minimizar os impactos à população. Os Correios informam que o movimento está concentrado na área de distribuição — levantamento parcial realizado na manhã de hoje mostra que 93,17% do efetivo total dos Correios no Brasil está presente e trabalhando — o que corresponde a 101.161 empregados, número apurado por meio de sistema eletrônico de presença. No Paraná, 90,89% do efetivo está presente e trabalhando — o que corresponde a 5.389 empregados.

Ainda segundo os Correios, as negociações com os sindicatos que não aderiram à paralisação ainda estão sendo realizadas esta semana. A empresa diz que continua disposta a negociar e dialogar com as representações dos trabalhadores na busca de soluções que o momento exige e considera a greve um ato precipitado que desqualifica o processo de negociação e prejudica todo o esforço realizado durante este ano para retomar a qualidade e os resultados financeiros da empresa.