O comando estadual da greve dos servidores públicos estaduais decidiu na manhã desta quarta-feira (26) que manterá a paralisação por tempo indeterminado em protesto por reajuste salarial. A decisão rejeita o pedido feito pelo governo de Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) de suspensão do movimento por uma semana para retomada do diálogo entre as partes.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Segundo Marlei Fernandes, coordenadora do Fórum das Entidades Sindicais (FES), os servidores encaminharão ainda nesta quarta um ofício ao Palácio Iguaçu um pedido de nova reunião com o governo do estado. Além disso, um ato público foi marcado para a próxima terça-feira (2), com caminhada pelas ruas do Centro e do Centro Cívico de Curitiba.

O FES, que reúne diversas categorias do funcionalismo estadual, afirma que uma audiência de negociação prevista para as 11h desta quarta teria sido cancelada pelo governo sem que fosse informado o motivo. A administração estadual, no entanto, nega que qualquer compromisso estivesse agendado.

+ Leia mais: ‘Sumiço’ de professora deixa alunos sem aula e vira jogo de empurra-empurra em Curitiba

De acordo com a assessoria de imprensa do governo do estado, o que existia era um pedido, encaminhado a um assessor, para que lideranças dos servidores fossem recebidas, porém a decisão do governo é de que haverá diálogo apenas caso a greve seja suspensa.

“A greve elimina qualquer tipo de diálogo”, resume o deputado Hussein Bakri (PSD), líder do governo na Assembleia.

Segundo a coordenadora do FES, neste segundo dia de greve, a adesão dos servidores das diversas categorias chega a 60% em todo o estado. A APP-Sindicato, que representa os professores e servidores da educação, diz que 85% das escolas do estado foram atingidas pela greve, total ou parcialmente.

+ Leia mais: Supermercado abre 250 vagas de emprego pra nova loja na Grande Curitiba

Já a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed) informou nesta manhã que registrou adesão em 32,2% das 2.143 escolas estaduais do Paraná, sendo total em 1,2% e parcial em 31% da instituições. O total é ligeiramente superior ao contabilizado no primeiro dia, quando 29,4% das escolas foram impactadas por adesão parcial ou total de funcionários à greve.

O que está em jogo

Os servidores pedem um reajuste de ao menos 4,94%, referente à reposição das perdas do último ano, e alegam que já acumulam perdas de mais de 17% desde 2016, quando foi dado o último aumento.

O governo afirma não ter condições de dar a reposição sob o risco de desequilibrar as contas do estado. “Estamos fazendo esforços, cortando mordomias para construir um projeto que permita, daqui a alguns meses ou no ano que vem, dar reajuste aos funcionários”, disse Ratinho Junior em entrevista coletiva em Londrina, na última quinta-feira (20). “Minha função como governador é cuidar do equilíbrio e garantir a saúde financeira ao Estado.”

+ Leia também: Saque do Abono Salarial do PIS 2018/2019 pode ser feito até sexta-feira

Além de servidores da educação, aderiram à paralisação servidores da agricultura e do meio ambiente, agentes penitenciários, peritos, docentes e técnicos das universidades estaduais de Ponta Grossa (UEPG), Londrina (UEL), Maringá (UEM) e Centro-Oeste (Unicentro), entre outros.

Representantes de entidades de policiais civis e militares dão apoio ao movimento movimento, embora não tenham paralisado as atividades.

Ratinho Jr. veta aposentadoria de Cida Borghetti