A paralisação é parcial.

Os funcionários do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), ligados à Fundação da Universidade Federal do Paraná para o Desenvolvimento da Ciência, da Tecnologia e da Cultura (Funpar), entram hoje no terceiro dia de greve. A paralisação é para reivindicar o aumento salarial de 18,75% e de 26% no vale-alimentação. Já a direção do HC afirma que só pode repassar até 7% de reajuste.

Na manhã de ontem os grevistas promoveram um “apitaço” em frente ao prédio da reitoria para pressionar o reitor, Carlos Moreira Júnior, a tomar uma decisão favorável aos trabalhadores. Na segunda-feira eles invadiram o gabinete do reitor, onde permaneceram por oito horas. Os trabalhadores e a direção do hospital também não chegaram a um acordo sobre o reajuste durante uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho, que aconteceu anteontem. O TRT deverá julgar a legalidade da greve até dia 26 de maio.

Representantes do Sindicato dos Trabalhadores do Terceiro Grau Público de Curitiba, Região Metropolitana e Litoral (Sinditest) dizem que a adesão ao movimento continua crescente, e afirmam que cerca de 150 servidores, de um total de 1.300, cruzaram os braços. Já a direção do HC afirma que ontem o número de funcionários parados era de 81 – onze a menos que no primeiro dia da greve -, e que o atendimento não foi prejudicado.