Preocupada com o aumento de casos de gripe A (H1N1), a Secretaria de Estado da Saúde reforçou a orientação aos médicos para que receitem o antiviral oseltamivir quando houver suspeita da doença. Desde janeiro, já foram diagnosticados 62 casos no Estado, dos quais 34 confirmados. Houve duas mortes em decorrência do vírus: um morador de Astorga, em março, e um paranaense que adoeceu no Estado, mas morreu no Nordeste, em janeiro.

“É importante estarmos alertas para o aumento de casos de gripe A no Estado, porque o clima tem favorecido as síndromes respiratórias. Não podemos esperar o quadro se agravar para intervir com o medicamento, que está disponível e pode salvar vidas”, diz o superintendente de Vigilância em Saúde da secretaria, Sezifredo Paz.

“Os médicos podem solicitar a coleta de amostras até o quinto dia após o início dos sintomas para confirmar a síndrome gripal, mas não é necessário aguardar o resultado dos exames para prescrever o antiviral”, explica. O medicamento é gratuito e liberado nas unidades de saúde com receita médica.