Em pouco mais de cinco meses, o Paraná já confirmou 74 mortes por gripe em 2016. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (8) pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), o número já supera o total registrado em todo o ano de 2013 (66). Em 2014 foram 16 óbitos e em 2015, 26.

De acordo com a Sesa, o vírus H1N1 voltou a ser o de maior circulação no Estado, o que não aconteceu nos dois últimos anos. Das 74 vítimas fatais deste ano, 70 (94,6%) são decorrentes da Influenza A (H1N1) – contra 4 em 2015, 8 em 2014 e 47 em 2013.

“A maior ocorrência de mortes por gripe foi constatada em idosos, acima de 60 anos, e pessoas com doenças crônicas, como alguma cardiopatia ou diabetes”, relata Julia Cordellini, chefe do Centro de Epidemiologia da Sesa. Ela alerta para que a população que faz parte desses grupos tenha cuidado redobrado na presença dos sintomas da gripe e busque uma unidade de saúde o mais breve possível.

“Já temos casos confirmados nas 22 Regionais de Saúde”, informa. Houve mortes causadas pela gripe em 18 delas. Este ano, o Estado já contabiliza 602 casos notificados da doença, dos quais 564 (93,7%) de H1N1. O total de registros representa quase o triplo do verificado em 2015 (230) e 2014 (228). Em 2013 inteiro foram 921 ocorrências, das quais 384 do vírus que predomina em 2016.

A maior concentração de casos está na regional Metropolitana de Curitiba com 29,9%, seguida da regional Maringá, com 23,4% das notificações. A Região Metropolitana de Curitiba também apresenta o maior número de óbitos por gripe: 18, nos municípios de Curitiba (13), São José dos Pinhais (2), Colombo (1), Quitandinha (1) e Tijucas do Sul (1).

Tratamento

A orientação do Ministério e da Secretaria da Saúde é que o antiviral Oseltamivir seja receitado a todos os casos suspeitos da doença, mesmo sem confirmação laboratorial. “O medicamento é mais eficaz nas primeiras 48 horas do quadro gripal, principalmente quando o paciente apresenta dificuldade para respirar”, ressalta Julia. O medicamento é disponibilizado gratuitamente para toda a população pelo Sistema Único de Saúde.

Prevenção
Para evitar a gripe, é recomendado lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir ou espirrar e ao chegar da rua. Outra orientação é cobrir a boca e o nariz com um lenço descartável quando for tossir ou espirrar.

As superfícies e objetos que entram em contato frequente com as mãos, como mesas, teclados, maçanetas e corrimãos, devem ser limpos com álcool. Objetos de uso pessoal, como copos e talheres, e alimentos não devem ser compartilhados. Também é necessário evitar ambientes fechados e com aglomeração de pessoas.

Outra forma de prevenir a doença é a vacinação. O Paraná já vacinou 94% do grupo de risco, com 2,8 milhões de doses aplicadas. O único grupo de risco que não atingiu a meta é o das gestantes, com 74% de imunização.