O projeto de Revitalização da Orla de Matinhos, que o governo do Paraná vem tentando implantar há mais de uma década e que é alvo de denúncias do Ministério Público, não é consenso dentro da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Dois grupos distintos da universidade foram demandados para avaliar o projeto e as conclusões são divergentes. Enquanto um grupo multidisciplinar formado por pesquisadores do Centro de Estudo do Mar aponta vários problemas de ordem ambiental e argumenta que as soluções propostas são ultrapassadas e obsoletas, o Instituto Tecnológico de Transporte e Infraestrutura (ITTI), órgão do setor de tecnologia da UFPR, é favorável ao projeto.

+ Leia mais: Doações para a campanha da “Vacina UFPR” já somam R$ 1,5 milhão, mas falta muito. Bora ajudar?

O primeiro grupo foi chamado para avaliar o projeto pelo Ministério Público do Paraná e emitiu quatro notas técnicas. Já o ITTI emitiu um parecer técnico atendendo a um pedido da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável, a qual o Instituto Água e Terra (IAT), o órgão responsável pelo projeto de revitalização, está vinculado.

Questionada sobre o fato de dois grupos da instituição sustentarem opiniões divergentes sobre o projeto, a Universidade Federal do Paraná, por meio de nota encaminhada pela assessoria de comunicação informou:

“Cabe à UFPR subsidiar os encaminhamentos que frequentemente são demandados pelas instituições públicas e em respeito à riqueza de posições e de análises que são inerentes a uma Universidade plural e sempre disposta a colaborar com o setor público, ressaltamos que uma questão sempre pode, e provavelmente terá, diversas análises e interpretações. O papel da UFPR neste momento é contribuir com este debate que envolve o meio ambiente, inclusive demostrando os diferentes aspectos. Afinal, estes estudos produzidos na UFPR são conduzidos por grupos de pesquisadores multidisciplinares”.

Tanto o grupo de pesquisadores do litoral quanto o ITTI informam que os trabalhos foram voluntários e não envolveram nenhum tipo de remuneração. “Foi 100% voluntário”, afirma o professor Eduardo Vedor de Paula, do Centro de Estudos do Mar.

“Fomos solicitados pelo secretário Márcio Nunes, da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável, e emitimos nosso parecer, sem nenhum custo”, informa Roberto Gregório, superintendente do ITTI, que é um órgão auxiliar da UFPR e não tem personalidade jurídica própria.

+ Veja também: Qual a boa para o feriadão? Cachoeira, passeios de barco e comidas típicas pertinho de Curitiba

A UFPR informou ainda que “formalmente não temos nenhum processo interno para pagamento das demandas solicitadas pelo Ministério Público e pela Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Turismo”.

O geógrafo Eduardo Vedor de Paula, que integra o grupo contrário ao projeto, diz que as soluções propostas não são pautadas na ciência e que nos Estado Unidos elas não são permitidas por lei. Ele questiona principalmente as chamadas obras complementares (estruturas como espigão e headlands).

Questionado sobre estas obras complementares, o IAT informa que elas são necessárias para assegurar vida útil à intervenção e evitar danos provocados pela erosão.

Segundo o IAT, o parecer técnico do ITTI é o único com chancela oficial da UFPR, e é favorável à obra. O superintendendo do ITTI, Roberto Gregório, confirmou que Instituto aprova o projeto.