Em 80% dos casos, quando há tratamento cirúrgico ou fisioterápico, a incontinência urinária é solucionada por completo. Para que essa realidade seja estendida a um percentual mais alto, o Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) está implantando um centro pioneiro no setor. Além de equipamentos de última geração, o centro terá uma equipe multiprofissional, integrada por médicos urologistas, fisioterapeutas e psicólogos.

O chefe do Serviço de Urologia do HC, Luiz Carlos de Almeida Rocha, explicou que o grande diferencial do novo centro é o trabalho integrado, garantindo melhor qualidade no diagnóstico e tratamento.

O médico contou que a incontinência é um problema que acontece em todas as idades, desde crianças até idosos, estes os mais atingidos devido ao enfraquecimento dos músculos. Em adultos, os causadores podem ser doenças como diabetes ou derrames cerebrais. Nas crianças, geralmente, são causadas por anomalias congênitas.

Rocha disse que o pior problema causado pela incontinência urinária é o afastamento da sociedade. “O constrangimento gerado pela incontinência pode gerar a depressão. O uso de coletores de urina ou fraldas também afasta o doente da sociedade”, explicou o médico, destacando que a pele pode ser afetada também devido ao intenso contato com a urina.