Educação, pesquisa e atenção à saúde a distância. Isso é o que prevê a Rede Universitária de Telemedicina (Rute), cuja unidade no Paraná foi inaugurada ontem, dentro do Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). É a 19.ª instituição a inaugurar um núcleo da Rute, financiada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. Atualmente, a troca de experiências já pode ser feita com outros integrantes da rede.

No futuro, a ferramenta vai possibilitar o segundo diagnóstico por meio da internet. Ou seja, uma pessoa do interior do Estado não precisará se deslocar até o HC, por exemplo. Mas isso ainda depende de investimentos em infraestrutura nos municípios.

O coordenador nacional da Rute, Luiz Ary Messina, revela que a educação a distância, a pesquisa e a assistência remota são os objetivos da rede. “O HC e outras instituições podem dar segundas opiniões sobre um caso. Isso gera um diagnóstico mais preciso.”

De imediato, a estrutura para o HC realizar este atendimento está cumprida. Agora, é necessário o apoio da Secretaria de Estado da Saúde para a realização de convênios com a UFPR para promover melhores diagnósticos nos municípios.

A assistência a distância poderá acontecer até em cirurgias, mas depende de internet de alta velocidade. Para casos menos urgentes e mais simples, basta um computador e acesso à internet, além de equipamentos médicos específicos.

Segundo o vice-reitor da UFPR, Rogério Mulinari, essa tecnologia vai estreitar as relações de pesquisa. “E isso refletirá na comunidade universitária e também na comunidade assistida”, afirma.