A direção do Hospital Universitário (HU) de Londrina, norte do Paraná, resolveu interditar ontem o pronto-socorro do local. O motivo foi que a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) do HU detectou o aumento de presença de uma bactéria multirresistente conhecida como KPC. Até o momento, ainda não há um antibiótico eficaz para destruir este micro-organismo. Até ontem, 27 pacientes foram contaminados pelo KPC.

A diretora superintendente do HU, Margarida de Fátima Fernandes Carvalho, conta que a bactéria veio para o hospital em fevereiro de 2009, quando um adolescente que sofreu um acidente em Goiás teria sido transferido para o HU em um equipamento infectado.

“Sempre há a presença destas bactérias em um hospital. Ela estava sob controle, contudo, como estamos com superlotação, operando 140% a mais da nossa capacidade, e há falta de funcionários para verificar estes problemas, o KPC acabou voltando com força”, admite.

A última vez em que o HU foi obrigado a fechar o pronto-socorro foi em fevereiro de 2009. Na ocasião, o espaço ficou sem atendimento por 30 dias. Entretanto, a diretora espera que desta vez o tempo para a reabertura seja menor.

“Estamos tomando todas as precauções para que a bactéria não se alastre mais. O hospital será lavado, os leitos estão sendo desinfetados pelo menos três vezes ao dia, restringimos as visitas a uma pessoa por paciente, entre outras medidas”, afirma.