O Hospital Regional de Paranaguá, no litoral do Estado, é importante, útil, está sobrecarregado, mas tem estratégias definidas e viáveis para funcionar em perfeito estado.

Essa é a conclusão do secretário de Estado da Saúde, Michele Caputo, após visitar o hospital, juntamente com o governador Beto Richa, na manhã de ontem. Em princípio, Caputo adiantou que a estimativa do governo é investir R$ 5 milhões em obras e compras de novos equipamentos para a instituição.

Dentre as mudanças mais significativas na estrutura do hospital, Caputo afirma que seguiu, em parte, o projeto apresentado pela diretoria. “Queremos fazer uma nova construção no terreno e tirar a maternidade do prédio mais novo. Além disso vamos reformar a parte antiga para uso exclusivo da maternidade”, afirma. Para Caputo, essa obra vai fortalecer a maternidade e abrir espaço para outros leitos.

Além dessa mudança estrutural, o secretário adianta que os R$ 5 milhões previstos para esse momento serão utilizados também para equipar o hospital. “Vivenciamos pacientes sendo atendidos nas macas. Nos surpreendeu também o fato do teste da orelhinha não estar disponível há pelo menos seis meses. Vamos providenciar o conserto desse aparelho”, adianta.

Também está no pacote o reparo do cardiotoque e a atualização de um tomógrafo. “Um investimento de R$ 80 mil nesse equipamento evitará que o paciente tenha que se deslocar para fazer exame de cateterismo”, ressalta. Não existe previsão para conclusão dessas mudanças.