A Secretaria da Segurança Pública pretende implantar sistema de registro geral (RG) em que o cidadão teria que digitalizar suas impressões digitais. O material coletado seria armazenado em banco de dados informatizado disponível para investigações policiais. A idéia do governo é que, depois de feito o primeiro RG digital, o cidadão tenha que renová-lo a cada cinco anos. A proposta de digitalizar a carteira de identidade foi anunciada ontem pelo secretário da Segurança, Luiz Fernando Delazari, durante reunião semanal do secretariado com o governador Roberto Requião.

Segundo Delazari, o Estado está investindo R$ 9,3 milhões para modernizar e informatizar o Instituto de Identificação, órgão emissor dos RGs. A modernização, disse ele, deve estar concluída até o fim deste ano. A partir daí será possível implantar a emissão digital das carteiras de identidade.

De acordo com Delazari, com o armazenamento informatizado das impressões digitais, será possível dinamizar o trabalho de investigação policial. Hoje, embora os policiais possam coletar as digitais no ambiente do crime, torna-se praticamente inviável descobrir a identidade da pessoa que as deixou no local. Com a digitalização das impressões e o auxílio de programa de computador, porém, em 30 segundos pode-se descobrir a identidade da pessoa, afirmou o secretário.

Geoprocessamento

Delazari anunciou, também, o início dos trabalhos de combate à criminalidade através do Geoprocessamento-Mapa do Crime. O secretário demonstrou o funcionamento do software desenvolvido pelo governo e como é feita a análise dos dados da criminalidade que baseiam as ações policiais de combate à violência no Paraná. ?A utilização do geoprocessamento muda a maneira de combater o crime no Paraná. O geoprocessamento permite à secretaria ter o controle dos locais, horários e tipos de crimes que acontecem em todo o Paraná.