Pequenas atitudes podem fazer diferença em uma comunidade. E elas podem vir daqueles que talvez nem precisassem mais fazer algo assim. Em Colombo, uma senhora de 90 anos faz o que todos deveriam inserir nas rotinas, sem qualquer restrição de idade. Faz mais pelo meio ambiente do que muitos cidadãos com mais vigor físico ou com uma idade bem menor.

Ema Wendler Cordeiro percorre todos os dias as ruas do Jardim Aurora, à procura do que pode dar para as suas galinhas, em uma criação que tem nos fundos de casa. Ela recolhe os lixos atrás disto e, com eles, vêm muito material reciclável. No lugar de simplesmente pegar o que interessa e jogar o resto fora, dona Ema gasta o tempo e a disposição que tem para separar todo aquele material. “Seleciono tudo e guardo até o caminhão do lixo reciclável passar por aqui. Separo por tipo de material e deixo tudo na frente de casa no dia que o caminhão passa”, conta. Tudo é colocado em sacos plásticos grandes, separados conforme o tipo de resíduo.

Dona Ema faz a diferença porque nem todos os seus vizinhos fazem a separação do lixo. Ela, pela idade que tem, nem precisaria aplicar a separação do material reciclável. “Vou bem cedo atrás do material porque o caminhão passa cedo e leva tudo. O que não serve eu coloco em um saco plástico e deixo para o caminhão pegar todos os dias”, relata. Ela não vende o material reciclável que seleciona. Apenas ajuda na primeira etapa do processo de reaproveitamento.

Os vizinhos contam que alguns moradores se sensibilizam e colocam os resíduos recicláveis, já separados, em sacolas plásticas. Eles deixam tudo no portão de dona Ema, que parte para a seleção criteriosa. “Ela faz diferença na nossa comunidade. Muitos, com menos idade do que ela, não se preocupam com o meio ambiente. Ela cuida do nosso bairro”, comenta um dos vizinhos de dona Ema.