Diversas igrejas atenderam ao pedido da Secretaria Municipal da Mulher de Curitiba para aderir à mobilização dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher. Elas irão promover ações de conscientização para a garantia dos direitos, formalização de denúncias e orientação sobre os serviços públicos existentes para atendimento às mulheres em situação de violência na cidade.

Nesta segunda-feira (25), 14 instituições de diversas denominações religiosas promovem, em parceria com a Secretaria da Mulher, sob organização da Primeira Igreja Batista de Curitiba (PIB), uma “Vigília de Oração” nas escadarias do prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR), na Praça Santos Andrade, das 17h30 às 20h30.

“A ideia é reunir esse segmento e os movimentos sociais para elevar as orações, os pensamentos e os compromissos em favor de semear uma cultura de paz e de respeito. As igrejas têm um papel mobilizador muito grande e uma capilaridade importante para levar mais longe a informação sobre os direitos das mulheres e onde elas devem buscar socorro”, explica a secretária municipal da Mulher, Roseli Isidoro.

No próximo sábado (30), é a vez da Igreja Católica e da Rede Missionária/Igreja Renascer de realizarem eventos para debater as formas de enfrentamento da violência de gênero. Pela manhã, às 10 horas, acontece na Cúria Metropolitana de Curitiba – Rua Jaime Reis, 369, São Francisco – uma palestra da secretária Roseli Isidoro para explicar a uma plateia de lideranças católicas das paróquias e comunidades de Curitiba o significado dos 16 Dias de Ativismo e as políticas públicas de enfrentamento da violência contra a mulher.

A Rede Missionária/Igreja Renascer realiza também no sábado, no auditório da Faculdade de Educação Superior do Paraná (FESP) – Rua Dr. Faivre, 141, Centro – das 9h às 19 horas, o encontro “Mulheres Mais que Vencedoras”. A abertura oficial, com mesa de autoridades religiosas e do poder público, acontecerá às 15 horas. “Temos plena consciência de que nem os governos sozinhos, nem a sociedade civil e as igrejas, de maneira isolada, terão sucesso no enfrentamento da violência contra a mulher. Temos de somar todos os esforços. É preciso um esforço coletivo maior para superar tanto machismo e tamanha opressão”, diz Roseli.

Ativismo

No mundo, os dias de ativismo iniciam em 25 de novembro – dia mundial da não violência à mulher – e terminam em 10 de dezembro – Dia Internacional dos Direitos Humanos. No Brasil, essa mobilização começa no dia 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra – para marcar a dupla discriminação sofrida pelas mulheres negras, reforçada pelo preconceito racial. Os 16 Dias de Ativismo acontecem em 159 países.

Armazéns da Família

Mil laços brancos estarão sendo distribuídos em nove Armazéns da Família nesta terça-feira (26). Os laços simbolizam os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da violência Contra a mulher que está sendo promovido pela Secretaria Municipal da Mulher. Os armazéns que terão a distribuição dos laços são Boa Vista, Boqueirão, centenário, Vila Sandra,Matriz, Pinheirinho, Fazendinha, Santa Felicidade e Bairro Novo.