Interessados por genealogia e histórias de famílias contam, no Instituto Histórico e Geográfico do Paraná, com um novo departamento sobre o tema. O setor, além de disponibilizar bibliografias, estimulará a manutenção e preservação de patrimônios documentais. Vinculado ao Departamento de Pesquisa, que é coordenado pela jornalista Zélia Maria Nascimento Sell. As dificuldades apra apuração e o custo destas pesquisas incentivaram o Instituto, vinculado ao governo do Paraná, a colocar a disposição dos interessados, uma biblioteca informatizada sobre o assunto.
A intenção do Instituto é atingir não somente a uma elite, mas a todas pessoas interessadas em conhecer seus antepassados. As reuniões são todas às terças-feiras, no próprio Instituto, na Rua José Loureiro, 43 e têm sido muito concorridas.
A Secretaria de Estado de Cultura colocou a disposição, no Instituto, seu acervo de fotografias antigas, para a comunidade.
Com a criação do departamento, o Instituto pretende estimular a publicação de livros como Oyumi, sobre a imigração japonesa, lançado recentemente. Outra obra do gênero é a de dois irmãos da família Tomaz, que, após dez anos de pesquisas, escreveram um livro sobre uma colônia de italianos, Santa Maria Tynol da Boca Serrada, que ainda existe, em Piraquara. Os primeiros habitantes chegaram em 1878. É uma obra completa sobre imigração italiana, no Paraná.