Foto: Cesar Setti/SECS

 Foto aérea da mais nova ligação viária.

Palanque, banda de músicos, ônibus de correligionários, foguetório e discursos eloqüentes de políticos do primeiro escalão estadual e municipal marcaram, ontem, a entrega das obras de construção do lote 2 do Contorno Norte de Curitiba. Rebatizada em homenagem ao vereador Admar Bertolli, falecido em 2003, que empresta o nome à obra, a inauguração não poderia estar dissociada do aspecto político. Foram 17 anos de polêmica, paralisação e empurra-empurra até o governo do Estado terminar a obra. Esse é o terceiro lote de quatro previstos, faltando agora o que ligará a PR-417 e a BR-116, projeto que ainda não tem previsão de início.

O trecho inaugurado, que levou quase vinte anos para ser terminado, liga definitivamente a BR-277 (sentido Ponta Grossa) com a Rodovia dos Minérios (PR-092), Rodovia da Uva (PR-417) e Avenida Manoel Ribas na altura da PR-090. Segundo o governador Roberto Requião, essa ligação encerra um dos mais graves problemas viários da capital. "Mais de 12 mil veículos que transitavam pelas ruas da capital passaram, agora, a utilizar o Contorno Norte."

O prefeito Beto Richa afirmou que, com o contorno pronto, será possível restaurar uma das vias mais importantes de Santa Felicidade, a avenida Toaldo Túlio. Também existem planos para uma revitalização da rua Fredolin Wolf, que nos últimos dez anos passou por 52 operações tapa-buraco. "Principalmente os moradores de Santa Felicidade vão sentir a diminuição dos transtornos", completou o prefeito.

Aberta à passagem de veículos há algumas semanas, a nova ligação rodoviária já causou uma redução sensível no tráfego das principais ruas da região norte da cidade. Segundo a Diretran, o resultado já é visível nas ruas Napoleão Manosso, Manoel Ribas, Fredolin Wolf e no trecho final da Mateus Leme.

A conclusão da obra é resultado de uma parceria entre governo do Estado e Prefeitura. De acordo com o secretário dos Transportes, Waldyr Pugliesi, foram investidos cerca de R$ 10 milhões na conclusão do lote 2 do contorno, com cerca de 9 quilômetros. Os recursos foram empregados para pavimentar cerca de dois quilômetros do trecho, e para a construção de mais três quilômetros que formam as alças de acesso ao viaduto na Rodovia dos Minérios (PR-092). Além disso, foram restauradas as alças já existentes.

O lote 4, que liga a Rodovia da Uva (PR-417) à BR-116, aguarda recursos do governo federal, que é responsável pelo trecho, para ser terminado. Mas de acordo com Pugliesi, o governo do Estado está disposto a firmar convênios para a conclusão da obra.

Superando problemas e investindo em desenvolvimento

O Contorno Norte começou a ser construído durante a administração de Requião na Prefeitura de Curitiba, em 1986. Mas as polêmicas em torno da obra começaram mesmo a partir de 1990, quando as obras foram paralisadas pela primeira vez. Durante a década passada, elas viriam a ser freqüentes devido às sucessões de prefeitos e governadores, que não queriam se comprometer com os gastos. Os mais atingidos com os atrasos, porém, foram os moradores da região. O contorno pronto, além de diversos bairros de Curitiba, desafoga também o tráfego dos municípios de Almirante Tamandaré, Colombo e Campo Magro.

"A passagem de caminhões pelos bairros, além de prejuízos para as ruas, causava diversos acidentes,? lembra Sérgio Carburasso, do Movimento Contorno Norte. A mobilização social, aliás, foi o principal motivo que levou à retomada das obras no contorno.

Incremento social

Para o secretário de Transportes, Waldyr Pugliesi, os investimentos do governo do Estado na capital e na Região Metropolitana criaram um "incremento social", pois a abertura da via criou um caminho direto entre a BR-277 e o município de Cerro Azul, no Vale do Ribeira, o que permitiu uma melhora na economia do município. "Hoje concluímos o Contorno Norte, chegando até Colombo, mas estamos ao mesmo tempo recuperando a ligação de Curitiba e Rio Branco do Sul, e a pavimentação entre Rio Branco do Sul e Cerro Azul", disse.

Recuperação

Somadas a conclusão do lote 2, o governo do Estado também recuperou o pavimento do lote 1, que vai da BR-277 a avenida Manoel Ribas, e do lote 3, ligação da Rodovia dos Minérios com a Rodovia da Uva, do contorno. Nos cerca de 12 quilômetros que formam os dois trechos foram investidos pouco mais de R$1,86 milhão. (DD)