Um posto de guarda-vidas no Balneário Marajó, em Matinhos, no litoral do Paraná, foi incendiado na noite de segunda-feira (11). O incêndio não está sendo investigado pela Polícia Civil, mas a suspeita é de que tenha sido um ato criminoso. O prejuízo é de, no mínimo, R$ 18 mil, custo para erguer uma nova estrutura de madeira para os bombeiros trabalharem na praia. A 8 dias do início da temporada de verão, o incêndio acentua o problema de vandalismo nos postos da orla.

Desde o começo de 2017, o Corpo de Bombeiros contabilizou seis postos deteriorados por pichações, depredações e outros prejuízos que desfalcam não só os cofres públicos, como também as condições de trabalho da corporação, o que interfere diretamente no salvamento de afogados.

“É difícil saber se foi colocado fogo porque não teve testemunha. Mas é bem recorrente esse tipo de ação de vandalismo, tanto de quebrar posto, colocar coisa dentro, pichar”, comenta a tenente Débora Kolossoskei.

Ela ressalta que, por causa da destruição do posto, não haverá tempo suficiente para recuperá-lo até a chegada dos turistas para o período de temporada. Apesar de a Operação Verão do governo do estado iniciar 21 de dezembro, desde o início do mês todos os postos de guarda-vidas estão funcionando diariamente nas praias do Paraná.

Dificuldades

O incêndio só mostra a dificuldade da corporação em manter os postos de guarda-vidas. Segundo os bombeiros, somente neste ano as prefeituras de Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná desembolsaram ao menos R$ 50 mil para ajudar na manutenção dos pontos, que além de terem vidros quebrados e paredes pichadas constantemente, também viram mocós para o consumo de drogas e serem usados como banheiro e até mesmo usar a madeira das estruturas para fogueira. “A gente não sabe se quem faz isso é só morador de rua. Algumas vezes são os próprios banhistas. Teve gente que quebrou a madeira para fazer fogueira na Ilha do Mel”, relata a tenente.

Ao todo, o Litoral do Paraná tem 89 postos quarda-vidas na orla. Destes, 37 são de alvenaria, que também servem como abrigos para os bombeiros. Os outros 28 postos são de madeira,.

De acordo com a prefeitura de Matinhos, o posto será reposto. Para isso, vai ser aberto processo licitatório para a reconstrução. Portanto, por causa dos trâmites legais, não há prazo para que o posto seja refeito.

Na temporada 2018, o Corpo de Bombeiros terá reforço de guarda-vidas civis. Serão 30 vagas: dez para Matinhos, dez para Guaratuba e dez para Pontal do Paraná. A corporação pagará R$ 72 por dia a cada civil.