O incêndio que consumiu cerca de 10 hectares de mata do Parque Estadual do Pico Paraná, situado na Porção Norte da Serra do Mar, já estava sob controle, na tarde desta sexta-feira (05). Segundo o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues, neste sábado (6), a equipe do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) continua a varredura no local, em busca de focos de incêndio. “Esperamos que, até domingo (7) o fogo tenha sido totalmente extinto”, informou.

Nesta sexta-feira (05), o IAP organizou uma força-tarefa com mais de 50 pessoas – entre técnicos do órgão ambiental e da prefeitura de Campina Grande do Sul, oficiais do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil, além de voluntários da Federação Paranaense de Montanhistas (Fepam) -que está atuando em um dos locais mais atingidos pelo fogo, ao lado do Morro Camapuã.

O presidente do IAP, Vitor Hugo Burko, destacou que todos os equipamentos necessários para o combate a incêndio foram disponibilizados pelo órgão ambiental. “São dezenas de abafadores, bombas costais, pás, enxadas e facões, além de equipamentos de proteção individual como óculos de segurança, máscaras, luvas e caneleiras de couro”, detalhou. Ele acrescentou que os voluntários contam com transporte e alimentação.

Para tornar mais rápida a comunicação entre os integrantes da operação, uma base de controle foi implantada no pé do morro com equipamentos de radiotransmissão. Um helicóptero da 6.º Divisão do Corpo de Bombeiros também auxilia os trabalho.

Ainda neste final de semana, novos voluntários devem se integrar à força-tarefa. Os interessados em colaborar devem entrar em contato com o Departamento de Unidades de Conservação do IAP – (41) 3213-3462 – ou diretamente com o técnico que representa o órgão ambiental na operação – Harvey Schlenker (41) 9921-2114.

Gestão integrada

Há um ano, um incêndio destruiu cerca de 70 hectares de floresta do parque. “Desde então, o IAP vem buscando implantar, no Pico Paraná, o modelo de gestão já implantado em outros parques estaduais, como o Pico do Marumbi e Caminho do Itupava, Vila Velha e Guartelá, por exemplo”, explicou Harvey.

Para isso, já foram realizadas reuniões com representantes da prefeitura de Campina Grande do Sul e também da Fepam. “Na próxima semana, iremos nos reunir com o proprietário da fazenda que serve de acesso principal ao parque para discutirmos a possibilidade de cadastramento dos visitantes”, antecipou o técnico do IAP.

Além de integrar os atores envolvidos com a proteção da área, o modelo de gestão que será implantado ainda inclui plano de combate à incêndio e monitoramento florestal, manutenção de trilhas, instalação de sinalização, ações de busca e resgate, entre outras iniciativas que irão garantir a integridade da unidade de conservação e dos visitantes.

Com mais de quatro mil hectares de mata atlântica, o Parque Estadual do Pico Paraná foi criado em 2002 e, além de proteger flora e fauna, também abriga parte do conjunto de montanhas que compõe a Serra do Mar, dividindo o Primeiro Planalto Paranaense e a planície litorânea.