A assistente social Fernanda Elodia Rossa passou por uma série de dificuldades na vida. Teve uma adolescência atribulada, foi mãe solteira aos 19 anos, se afastou da família e enfrentou problemas para criar seu filho. Mas em um momento de virada na vida, conseguiu a estabilidade que precisava para cuidar da criança, trabalhar e pagar a faculdade sozinha.

Nesta trajetória, conheceu o seu futuro marido e tinha o sonho de se casar para coroar a nova fase da vida dela, com a superação de uma série de dificuldades e a reaproximação da família. Dinheiro para isto Fernanda não tinha. “Cheguei a fazer um planejamento financeiro e juntar uma quantia, mas era insuficiente”, lembra.

Por intermédio de uma amiga da mãe, Fernanda conheceu o Instituto Amiga dos Sonhos, que se propõe a ajudar mulheres de diferentes idades a superarem problemas e a realizarem seus sonhos. “Mandei um e-mail. Ficava pensando se daria certo. Passei por toda a avaliação e no fim deu certo”, comenta. Ela teve o casamento que queria.

A cerimônia foi realizada há um mês, com ajuda de mais de 35 empresas e 20 voluntárias, em um trabalho articulado pela entidade. Fernanda e seu marido receberam 170 convidados em um casamento em que tudo foi fruto de parcerias. Ela não teve o controle de nada. Mesmo assim, foi o casamento que tanto desejava.

Madrinhas de boas causas

O Instituto Amiga dos Sonhos iniciou suas atividades há cerca de dois anos, com o envolvimento de 40 mulheres que já se reuniam para ajudar o próximo por meio de suas próprias atividades profissionais. “Tudo começou neste encontro de mulheres que tinham a mesma ideia de ajudar o próximo por meio da atividade profissional. Chegava uma pessoa com um problema de saúde, a gente encontrava uma amiga que pudesse ajudar”, afirma Jussara Mari Fernandes do Amaral, presidente do instituto.

A iniciativa foi tomando corpo até a criação do instituto, que hoje já conta com o envolvimento de centenas de pessoas e empresas. As voluntárias recebem o nome carinhoso de fadas por serem madrinhas de diferentes causas. Uma referência também ao sonho de toda mulher de ter uma madrinha que realizasse seu desejo. Com a ajuda delas já foi possível atingir milhares de pessoas em Curitiba e região metropolitana. “Me orgulho do instituto porque leva um pouco de responsabilidade social. Não dá para olhar apenas para o próprio umbigo”, avalia Jussara.

Pelo site www.amigadossonhos.com.br é possível se candidatar para ser uma fada madrinha ou para ter o sonho realizado. Mais informações pelo telefone (41) 3082-1413.

Até casa pra mulher doente

Neste momento, um dos focos do Instituto Amiga dos Sonhos é ajudar uma mulher de 32 anos, que tem quatro filhos e está fazendo tratamento contra o câncer. Ela inicialmente pediu uma geladeira como sonho e, ao fazer uma visita no local onde a mulher morava, a equipe do instituto verificou que a situação dela era muito crítica. “Na visita, foi verificado que o problema não era a geladeira. Os filhos dela não tinham colchão. Dormiam em cima de trapos no chão. E, quando foi perguntado sobre ela, a mulher revelou que estava com câncer de mama. Ela estava na fila esperando tratamento. Fizemos então um encaminhamento para uma médica, que deu as primeiras orientações e acionou outros médicos”, comenta Jussara Amaral.

A mulher passou por tratamento, mas teve a sua mama retirada por causa da doença. Recentemente, teve o diagnóstico de metástase do câncer para o pulmão, fígado e ossos. Devido à sua saúde debilitada e ao aparecimento de doenças, ela precisa de estrutura para seguir o tratamento. Por isto, o Instituto Amiga dos Sonhos se mobilizou para encontrar um arquiteto e um engenheiro dispostos a fazer uma ampliação na casa da mulher, com a construção de um quarto ,e um banheiro.

Atualmente, oito pessoas dividem o espaço com quatro cômodos. “Já conseguimos a ajuda dos profissionais e agora estamos atrás do material de construção”, explica Jussara. Um bazar foi realizado para levantar recursos para a obra, mas ainda falta muita coisa. Por isto, o Instituto Amiga dos Sonhos pede a colaboração das voluntárias e de outras pessoas que estejam dispostas a realizar mais um sonho.

Marco Andre Lima
Jussara: não dá para olhar apenas para o próprio umbigo.