Dois intelectuais – um árabe e um israelita – debaterão o conflito no Oriente Médio hoje, às 21h, durante a 3.ª Semana de Filosofia das Faculdades de Administração, Ciências, Educação e Letras (Facel) de Curitiba. Discutindo o tema com a comunidade acadêmica, vão estar presentes o historiador Sérgio Feldman, de origem judaica, e o filósofo Jamil Ibraim Iskandar, de origem muçulmana.

Jamil Iskandar vai falar sobre a implantação do Estado de Israel na Palestina e dos resultados que isso gerou para a região. Já Sérgio Feldman, entre outros assuntos, deve comentar sobre os nacionalismos israelense e palestino e sobre a manipulação do colonialismo britânico sobre a região. Ambos vão debater sobre a história e as causas do conflito, assim como sobre possíveis soluções para o problema.

Ao longo dos anos, convidados a proferir diversas palestras sobre o assunto, Sérgio e Jamil dizem que os povos israelense e palestino já estão exaustos de tantos conflitos. Ambos desejam o respeito mútuo e uma vida em paz. “A grande maioria dos palestinos e dos israelenses deseja a paz. Esse é também um desejo de toda a população mundial, que não agüenta mais presenciar tanto sofrimento”, afirma Jamil.

Vontade política

O filósofo acredita que a paz entre os dois povos é possível. Só não acontece devido à falta de vontade política entre os governantes. Segundo Jamil, israelenses e palestinos devem deixar interesses políticos e pessoais um pouco de lado e se abrirem para o diálogo. “A autonomia real dos dois povos deve ser respeitada. No momento, os direitos dos palestinos não estão sendo respeitados”, diz. “Acredito que possa haver uma trégua entre israelenses e palestinos, basta que ambos se disponham a sentar para conversar”, completa.

Sérgio também torce pela paz, mas acha que ela ainda está distante de acontecer e que muitas oportunidades de um entendimento entre os povos foram desperdiçadas. De acordo com ele, a maioria dos israelenses e palestinos quer viver em harmonia, entretanto os conflitos são causados por uma minoria radical, presente nos dois lados, que não permitem que a paz se sobressaia. “Tecnicamente a paz não é tão difícil de ser alcançada, porém há muito ódio e desejos de vingança, que mantêm um ciclo de violência por parte de ambos os povos. É preciso que haja reconhecimento mútuo e diálogo”, ressalta.

A palestra, embora destinada à comunidade acadêmica, será aberta à toda comunidade. Estão previstas participações de estudantes universitários vindos de Londrina e Maringá. A entrada será gratuita para todos os interessados.

Serviço:

Palestra sobre o conflito do Oriente Médio. Horário: 21h. Local: Facel. Endereço: Avenida Vicente Machado, 156. Telefone: (41) 324-1115.