Quem aproveitou “numa boa” o bonito dia de sol desta terça-feira (17) foi o “Adílson”, o jacaré mais famoso de Caiobá, balneário de Matinhos, no litoral do Paraná. O bicho foi fotografado por volta do meio dia, em um canal localizado na Avenida Juscelino Kubitscheck de Oliveira (PR-412) pelo leitor da Tribuna Almir Alves, que mantém a página Matinhos Agora.

Leia também: Avião faz pouso de emergência em praia do Paraná

A presença do réptil na região, apesar de inusitada, não é incomum. De acordo com o veterinário da Secretaria de Meio Ambiente de Matinhos, Takashi Yatsumoto, “Adílson” vive no local há cerca de cinco anos e não oferece perigo para a população, desde que não seja importunado.

“Este jacaré tem até nome e não representa riscos. É possível tirar fotos dele, mas não recomendamos que as pessoas incomodem ou cheguem muito perto do animal, para evitar acidentes. Ele vive neste canal perto do rio, onde se alimenta principalmente de peixes. Durante um tempo ele sumiu, quando o canal dragado, mas depois voltou”, explica o veterinário.

De acordo com Yatsumoto, “Adílson” nunca passou por uma identificação oficial, mas por suas características, os veterinários acreditam que ele seja um exemplar de jacaré-de-papo-amarelo, espécie que integra a lista do Ibama de animais em risco de extinção.

Morador de Caiobá

O veterinário relata que vários pedidos para a retirada do jacaré foram feitos à Secretaria de Meio Ambiente, mas todos foram negados após avaliação de órgãos como o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade Autarquia (ICMBio) e Instituto Ambiental do Paraná (IAP), já que o animal é uma espécie da região, não representa ameaça e está totalmente integrado ao ambiente onde vive.

Leia ainda: Homem é achado morto dentro do galinheiro de vizinho em Curitiba

“Nós (humanos) é que invadimos a área destes animais. Encontrar jacaré, lontra e outras espécies de animais silvestres é comum no litoral do Paraná. E isto é um bom sinal, avistar um jacaré perto de um rio demonstra que a água está em condições favoráveis, não tão poluídas”, afirma Yatsumoto.

 

Morre Lika, a cadela “professora” dos Bombeiros de Curitiba