Atendendo a pedidos dos leitores, A Tribuna do Paraná e O Estado do Paraná serão
acompanhados de sacolas plásticas. O modelo escolhido é o oxi-biodegradável, com
decomposição mais rápida.

A partir de maio, os exemplares da Tribuna do Paraná e do O Estado do Paraná serão
acompanhados de sacolas plásticas biodegradáveis, em um projeto ecológico que
facilitará as vendas em bancas e contribuirá para a redução do acúmulo de lixo.

As sacolas, que serão distribuídas nas bancas com cada jornal, foram uma reivindicação dos leitores, que queriam um modo mais prático de levar seus exemplares da Tribuna e do O Estado para casa após a compra.

O GPP (Grupo Paulo Pimentel) decidiu por começar a utilizar embalagens de maneira
ecológica, e segue uma tendência mundial ao optar pelo novo modelo oxi-biodegradável,
que se decompõe na natureza em cerca de um ano, ao invés das antigas sacolas plásticas, que levavam até 400 anos para se decompor.

Os jornais do GPP são pioneiros entre os jornais do Paraná no uso de sacolas
ecologicamente corretas, aliviando a natureza das embalagens dos 30 mil exemplares que vendem diariamente.

As sacolas biodegradáveis consistem em modificações químicas na composição do
plástico, com o acréscimo de um aditivo biodegradável que fragiliza as ligações entre as moléculas de carbono que formam o plástico, facilitando a degradação do material no meio ambiente. Elas são mais sensíveis à luz solar, à umidade e à temperatura, e podem ser digeridas por microorganismos presentes na natureza.

Embora tenham um preço entre 10 e 15 por cento mais alto, a demanda pelas sacolas
oxi-biodegradáveis tem aumentado, em um ritmo lento, no Brasil, produtor de mais de 3
bilhões de sacolas plásticas diárias.