Karina Chaves acabou de completar 16 anos de idade e vai participar neste domingo, 11, do Campeonato Sul americano, na categoria Woman Performance. A competição, organizada pela federação WFF e que acontecerá em Curitiba, Paraná, será a quarta da carreira da jovem atleta.

Karina decidiu trocar as bonecas por barras de ferro aos 13 anos e começou a treinar sozinha em casa imitando treinos do Youtube, sem orientação nutricional e buscando dietas na internet mesmo sabendo que isso não era o correto a ser feito. A adolescente cortou definitivamente de sua alimentação, lanches, refrigerantes e qualquer tipo de doces, como o chocolate que tanto adorava em busca do sonho de se tornar fisiculturista.

“Eu comecei a treinar cedo por ver meu irmão ir para a academia. Isso me fez perceber que eu poderia deixar de ser a gordinha como era chamada na época por outras crianças”, recorda Karina.

Nem mesmo as dificuldades financeiras da família e a falta de patrocínio não fizeram Karina desistir: “Nunca tive um apoio financeiro de ninguém, mas em compensação, não tenho o que reclamar sobre o apoio moral dado a mim por familiares e amigos.”

Karina-Chaves-5
Foto: Heron Luiz/MF Assessoria

Aos 14 anos começou a trabalhar como recepcionista em uma academia e só assim pode começar a se alimentar melhor e comprar seus suplementos. Foi lá também que conheceu o fisiculturista Victor Soares, responsável por apresentar os campeonatos para a jovem que não sabia na época que na sua idade já poderia participar desses eventos, fazendo assim, com que sua paixão pelo esporte aumentasse cada vez mais.

Hoje Karina treina de segunda a sábado por cerca de uma hora e meia por dia, acompanhada de profissionais da área, sem deixar de seguir à risca a dieta recomendada por seu nutricionista, que tem por base bons carboidratos, gorduras, proteínas e as vezes algumas frutas.

Com toda essa dedicação, quando ainda tinha 15 anos, a adolescente faturou três títulos nos seguintes campeonatos: Estreantes, Camp Paranaense e o Campeonato Brasileiro. Vencendo todos em primeiro lugar.

“Foi com muita disciplina que consegui todas essas vitorias e espero que de tudo certo nesse próximo campeonato também”, diz orgulhosa e confiante.

De Apucarana

 

Karina-Chaves-1
Foto: Heron Luiz /MF Assessoria

Com o corpo completamente definido, a jovem, que mora na cidade de Apucarana, no Paraná, sofre constantemente com questionamentos e criticas, mas diz não se importar.

“Uma vez eu estava fazendo escadaria e uma senhora me perguntou:

– porque você é assim, toda deformada? – Esse dia me marcou! Como podem comparar definição com deformação? Achei um pouco exagerado da parte dela”, desabafa.

Karina afirma que mesmo com toda correria do dia consegue tirar notas boas na escola, ser uma boa funcionaria e uma atleta promissora.

“Preciso me empenhar sempre na escola, pretendo estudar Educação Física no futuro e não posso dar mole”, complementa.

Assim, a menina de apenas 16 anos vem se tornando inspiração para outros jovens que acabam seguindo sua rotina de treino pesado, levantando mais uma vez questionamentos sobre: O risco de começar a fazer musculação na adolescência.

Resolvemos então conversar com Rickson Moraes, médico Ortopedista e Pós-graduado em Medicina do Esporte que afirmou que os benefícios da musculação para pré-adolescentes e adolescentes está mais do que comprovado pela literatura médica, porém é fundamental que os exercícios sejam feitos sob supervisão de profissionais habituados a trabalhar com jovens, utilizando carga e volume de treinamento adequados.

“A prescrição de exercícios de força, nesta faixa-etária, sempre gerou muita discussão entre os médicos. Há bem pouco tempo, não era incomum que esses jovens fossem proibidos de realizar estas atividades, pois havia o receio de que a prática pudesse comprometer, de alguma maneira, o crescimento e desenvolvimento dos mesmos”, finaliza o médico.