O trabalhador rural Joanir Pereira compareceu na tarde desta terça-feira (3) à audiência de conciliação no Fórum Trabalhista de Cascavel, no oeste do Paraná, vestindo um par de sapatos. O trabalhador foi o pivô de um ato do juiz da 3ª Vara de Trabalho de Cascavel, Bento Luiz de Azambuja Moreira, que cancelou no dia 13 de junho a sessão porque Pereira calçava chinelo de dedos. Hoje o magistrado reconheceu o erro e surpreendeu ao oferecer um par de sapatos usado ao trabalhador, que recusou o presente.

A audiência de conciliação, que terminou em acordo, durou cerca de 40 minutos. Nervoso, Joanir disse que quase não dormiu à noite por causa da audiência. Para evitar um novo constrangimento, ele decidiu mudar o visual e vestiu a sua melhor roupa. O chinelo de dedos, motivo da polêmica passada, Joanir deixou em casa. "O meu sogro emprestou o par de sapatos. São dois números menores, mas achei melhor usá-lo", disse o trabalhador, que está desempregado.

O advogado do trabalhador, Marcelo Picolli, move ação trabalhista contra a empresa Bresolin Madeira. O valor da ação é de aproximadamente R$ 10 mil, mas o acordo saiu em R$ 1,8 mil. "Vou comprar algumas coisinhas para a casa e um par de sapatos", disse Joanir ao sair da audiência. O juiz disse que tomou a decisão de presentear o trabalhador com um par de sapatos porque havia prometido, na audiência anterior, que caso o reclamante provasse que não tinha um par de sapatos iria presenteá-lo com o calçado. "Não tive a intenção de desrespeitá-lo", afirmou Moreira.