A alta temporada tem atraído muitas pessoas ao litoral, mas é preciso ter cuidado na hora de escolher um imóvel, para evitar dores de cabeça e não passar o verão frustrado. Assim como um aluguel para moradia, o contrato de uma casa para temporada requer precauções.

Para maior segurança, especialistas recomendam muita pesquisa. “É importante conhecer mais sobre o imóvel e a imobiliária para verificar a credibilidade da empresa”, alerta a advogada especialista em Direito Imobiliário, Oksana Pohlod Maciel Guerra.

Também é preciso estar atento na hora de assinar o contrato. De acordo com a advogada, a principal diferença entre o contrato de moradia para o de temporada é em relação ao período máximo de uso. Oksana esclarece que passado 90 dias o proprietário pode solicitar o despejo dos ocupantes.

Outro ponto é sobre o pagamento. No caso do contrato de moradia, o aluguel apenas é cobrado após o uso, diferente dos imóveis para temporada. “Para o aluguel de temporada o contrato permite que o locador receba ao menos alguma garantia, como um cheque calção, ou um adiantamento”, explica a advogada.

Suellen Lima
Procura por casas e apartamentos no litoral do Paraná cresceu 50%.

Mas Oksana avisa que o locatário também deve estar atento aos seus direitos. Em casos em que o imóvel não confere com a descrição, ou faltam itens especificados no contrato, a pessoa tem direito a ser compensada. “Tem vezes que o imóvel está em desacordo e, por exemplo, falta um ar condicionado, ou camas a menos. Nessa situação o contratante pode pedir uma compensação, e dependendo do caso até o ressarcimento”, explica Oksana.

Por esse motivo, a advogada reforça a necessidade de estar atento ao conferir o contrato e juntar provas. “Se a pessoa se sente insegura é importante que ela guarde as conversas de email e o contrato. Caso seja comprovada alguma situação irregular no imóvel, ela pode registrar com fotos e reclamar”, explica a advogada.

Pela facilidade da internet muitos imóveis são procurados nos sites. Para Oksana, a melhor dica é buscar uma imobiliária de confiança. “Podemos avaliar os comentários e as recomendações sobre a empresa. Mas o bom mesmo, é após localizar o imóvel na internet, buscar o contato pessoal”, aconselha a advogada.

Sol e calor empolgam mercado

Com as elevadas temperaturas registradas nesse inicio de 2014, a procura dos paranaenses por imóveis no litoral para passar alguns dias tem entusiasmado o mercado imobiliário. Passada a euforia da virada de ano, profissionais do ramo preveem aumento de movimento no litoral nos finais de semana em comparação à 2013.

De acordo com Daniel Galiano, diretor da imobiliária Apolar, os feriados de Natal e Ano Novo já registraram um aumento de 50% em relação ao mesmo período do ano passado. “Acredito que o clima de poucos dias de chuva e muito sol favoreceu este ano. Acabei ficando sem nenhum imóvel disponível para os feriados”, conta Galiano.

O diretor afirma que o destino preferido do paranaense permanece sendo as praias de Santa Catarina, mas a procura pelo litoral do Paraná surpreendeu. “Sempre tivemos muita demanda pelas praias de Santa Catarina, só que neste ano também esgotamos todos os destinos regionais”, diz Daniel.

Os preços das diárias variam entre R$ 200 e R$ 1.300, dependendo dos imóveis. Mas para evitar pagar valores abusivos, Galiano dá uma dica: “Sempre que a pessoa busca alugar o imóvel na hora ela paga mais caro, às vezes até o dobro. Recomendo sempre procurar com antecedên,cia”, diz Daniel.

Para quem não pode viajar no feriado, agora as facilidades aumentaram. “Uma semana atrás só oferecíamos pacotes de no mínimo dez dias. Agora já temos imóveis que fazemos contratos mais curtos de até três dias”, diz o diretor. Galiano explica que, para alugar um imóvel, apenas é exigido a apresentação de RG, CPF e comprovante de residência.