A região de Londrina está passando por uma epidemia de rotavírus. O vírus, que atinge principalmente crianças menores de 5 anos, provoca diarréia aquosa, vômito e febre alta. Na última semana, o Laboratório Central do Estado (Lacen) divulgou o resultado de nove exames feitos na cidade. Quatro deles deram positivo. Cerca de quatrocentas pessoas passaram pelos posto de saúde da cidade com sintomas da doença. Mas a gerente do setor de epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde de Londrina, Josemari Sawczuk de Arruda Campos, acredita que esse número seja bem maior.

Josemari explicou que a suspeita da epidemia surgiu no final de agosto. Isso refletiu até na vacinação contra poliomielite, quando a cobertura foi de apenas 91%. Adoentadas, muitas crianças ficaream em casa.

A gerente explicou que o rotavírus não tem tratamento específico. Cada sintoma é tratado de maneira diferente. Quando o vírus se instalada no organismo, em no máximo dois dias ele se manifesta, mantendo os sintomas de cinco a sete dias. A higiene é a única maneira de combater e prevenir o rotavírus. “Lavar bem as mãos, o vaso sanitário e evitar o aparecimento de moscas são medidas simples mas que podem evitar a doença”, lembrou, destacando que o grande perigo do vírus é conduzir a uma desidratação.