Mais um táxi, utilizando taxímetro fraudulento, foi apreendido em Curitiba. Com ele, já são dois veículos apreendidos pela polícia esta semana. Os proprietários dos veículos e a proprietária da empresa que fabrica e instala os taxímetros foram indiciados por estelionato e vão responder em liberdade. Os veículos foram encaminhados ao Instituto de Pesos e Medidas do Paraná (Ipem) para perícia.

De acordo com investigações, em um dos táxis apreendidos o taxímetro estava com dispositivo em um lugar não visível, que podia ser acionado manualmente pelo motorista e alterava o valor da corrida em 30%. Segundo a polícia, a marca fraudada é a B&P e o taxímetro é do modelo TKS 56.

O delegado da Delegacia de Crimes Contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon), Jairo Estorilio, afirmou que aumentar o valor da corrida em 30% é permitido somente quando o táxi faz um percurso que o leve até outro município, como por exemplo de Curitiba ao aeroporto de São José dos Pinhais.

Receio

Apesar de aprovar as medidas tomadas até o momento pelos órgãos de fiscalização para combater fraudes em taxímetros, o Sindicato dos Condutores de Táxi Autônomos e Empregados no Estado do Paraná (Sinditáxi) alerta para o fato de que nem todos os veículos em circulação estão sob suspeita. Além disso, a entidade afirma que o passageiro não deve ter receio em utilizar esse transporte, porque apenas uma minoria está sendo investigada.

“Dos mais de 2,2 mil táxis em Curitiba, somente 195 estão sendo fiscalizados, pois utilizam o taxímetro de uma marca específica, que está sob suspeita. Portanto, não podemos generalizar e dizer que todos os veículos podem estar fraudando os valores cobrados pelo taxímetro, ainda mais porque sabemos que a maioria está fazendo tudo corretamente”, comenta o presidente do sindicato, Abimael Mardegan.

A fiscalização, realizada pela Urbanização de Curitiba (Urbs) foi motivada por uma denúncia que apontava o aumento do valor da corrida no taxímetro. Além dos dois taxistas pegos com o aparelho fraudado, os outros taxistas que utilizam veículos com essa marca e esse modelo de taxímetro serão convocados a comparecerem ao Ipem para submeterem o equipamento à fiscalização. 195 devem ser vistoriados na próxima semana. Aqueles que tiverem envolvimento com a fraude podem ser submetidos a multas e punição criminal.