Quatorze casos de malária foram identificados em índios que vivem na região oeste do Paraná. Ao longo dos últimos dias, a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) registraram 11 casos da doença em um acampamento indígena localizado no município de Santa Helena e outros três casos na terra indígena Ocoy, em São Miguel do Iguaçu.

“Os casos foram identificados rapidamente e nenhum índio precisou de internamento. Todos os pacientes foram medicados e os locais onde a doença foi verificada estão passando por acompanhamento. Como medida ambiental, foi borrifado inseticida com o objetivo de reduzir a população de mosquitos (o transmissor da malária é um mosquito do gênero Anopheles)”, comenta o superintendente de vigilância em saúde da Sesa, José Lúcio dos Santos.

Segundo Santos, ainda não se sabe como a malária se originou entre os índios da terra Ocoy. Porém, em Santa Helena, existe a desconfiança de que a doença tenha sido transmitida por pessoas oriundas do Paraguai que visitaram o acampamento indígena.